Ao combinarem simulações da dinâmica molecular da proteína da superfície do SARS-CoV-2 com análise bioinformática, os autores do trabalho identificaram novos pontos na superfície da proteína da espícula que são menos protegidos pelas cadeias de moléculas de açúcar (glicanos) que a revestem.

Os glicanos da proteína da espícula “atuam como um escudo dinâmico que ajuda o vírus a escapar ao sistema imunológico humano”, refere em comunicado a editora da PLOS Computational Biology, revista científica de acesso aberto que publicou o estudo.

Segundo o investigador Mateusz Sikora, do Instituto Max Planck de Biofísica, na Alemanha, o modelo “pode apoiar” projetos de novas vacinas e tratamentos de anticorpos contra a covid-19, doença respiratória causada pelo SARS-CoV-2, numa altura em que surgem variantes “com mutações concentradas” sobretudo na proteína da espícula.

As vacinas em circulação contra a covid-19 têm como alvo principal a proteína da espícula, que permite ao novo coronavírus (tipo de vírus) entrar e replicar-se nas células humanas gerando a infeção.

Vacinas específicas contra as novas variantes do SARS-CoV-2, em particular a que teve origem na África do Sul, estão a ser testadas.

De acordo com os autores do estudo hoje divulgado, o modelo dinâmico criado poderá ser usado para identificar eventuais vulnerabilidades de outras proteínas virais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.