As declarações foram feitas pelo Papa numa homilia escrita e lida pelo presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, o arcebispo Rino Fisichella, numa missa que hoje foi celebrada na Basílica de São Pedro por ocasião da primeira Jornada Mundial dos Avós e Idosos.

O papa não pôde celebrar a missa porque se encontra a recuperar da operação clínica realizada no início do mês.

Francisco, que tem vindo sempre a defender que seja dada uma maior atenção aos idosos, disse durante a homilia que os mais velhos são “valiosos pedaços de pão que ficaram sobre a mesa” das vidas das novas gerações e que podem nutrir-se das lembranças e das memórias.

“Não percamos a memória de que são portadores os idosos, porque somos filhos dessa história, e sem raízes ficaremos murchos. Eles apoiaram-nos durante as etapas do nosso crescimento e agora toca-nos a nós apoiar a sua vida, aligeirar as suas dificuldades, estar atentos às suas necessidades e criar todas as condições para que as suas tarefas diárias sejam facilitadas e não se sintam sós”, disse.

Durante a homilia, o papa pediu aos jovens para se questionarem se visitam os seus avós com frequência e se os escutam para que amanhã “não se venham a arrepender de não lhes ter dado a atenção suficiente”.

Criticou também as sociedades atuais, demasiado atarefadas e indiferentes, incapazes de atender aos idosos que hoje “têm fome” da ternura e da atenção dos mais novos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.