Segundo o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista Chinês, a operação, que contou com 25.000 polícias e resultou em 76 processos penais, ilustra as dificuldades em combater o jogo ilegal no continente chinês durante as festividades do Ano Novo.

Milhões de trabalhadores migrantes regressaram às suas terras natais entre os dias 15 e 21 de fevereiro, trazendo consigo as poupanças de um ano de trabalho, que muitos resolvem apostar em jogos de azar, descreve o jornal.

Em fevereiro, poucos dias antes do Ano Novo Chinês, o Ministério de Segurança Pública do país apelou às autoridades para que se organizem no combate aos jogos de azar.

No entanto, "as apostas decorrem em locais escondidos e novos espaços são escolhidos para cada nova sessão de apostas", afirma Zhao Jiannan, responsável por uma brigada da polícia, citado pelo Diário do Povo.

Segundo a lei chinesa, organizar jogos de azar com mais de 30 jogadores, ou até três jogadores, quando o valor apostado excede os 50.000 yuan (6,4 mil euros), é punível com pena de prisão até três anos.

A Região Especial Administrativa de Macau, que foi administrada por Portugal até 1999, é a única região da China onde os casinos são legais e é o maior centro de jogo do mundo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.