“Jogar na quinta-feira em Vizela e depois visitar no domingo o Vitória de Guimarães é um desafio, mas preparámo-nos da melhor forma que conseguimos. Temos de estar preparados para um jogo difícil, contra uma das equipas de topo da I Liga. Estão a fazer um ótimo desempenho e são muito perigosos nos momentos de transição e de contra-ataques. Jogámos lá já no início da época passada, mas lembro-me que o ambiente no estádio é muito bom. Esperamos um grande jogo”, disse, em conferência de imprensa.

Os ‘encarnados’ contabilizam sete triunfos consecutivos no campeonato e encontram-se no melhor momento da temporada, enquanto o conjunto minhoto conta somente com um desaire nas derradeiras nove jornadas da I Liga, na qual figura no quinto lugar.

“Para jogar contra eles, temos de ser muito bem organizados taticamente. Têm muitos jogadores com qualidade individual na frente e muito bons jogadores para este tipo de futebol com cinco defesas. Estão sempre à procura de momentos para ter bola e criam dificuldades aos adversários. Teremos de ser muito bons em posse de bola e mostrar a nossa qualidade, sermos organizados nos momentos sem a bola, com pressão e, claro, encontrar os nossos momentos no ataque, como sempre fazemos”, realçou o técnico.

O presidente Rui Costa, numa entrevista ao canal de televisão do clube, apontou que o plantel atual do Benfica “é muito mais valioso” do que há uma época e meia, quando Roger Schmidt chegou à Luz, mas o treinador germânico entendeu que “não faz muito sentido comparar equipas”, uma vez que, no final, “o que interessará serão os títulos”.

“Temos equipas diferentes. Era uma grande equipa no ano passado e penso que neste ano também. Veremos no final se nós conseguimos ser campeões novamente. É difícil comparar as equipas, pois se virmos é uma equipa completamente nova. Só quatro ou cinco jogadores se mantiveram desde o início da minha primeira época. Temos muitas mudanças e, na minha opinião, não faz muito sentido comparar equipas, pois no fim o que interessa são os títulos. Fomos campeões e este ano tentaremos o mesmo”, disse.

Roger Schmidt apontou que Arthur Cabral “está muito melhor”, embora ainda aponte que “tem muito potencial para explorar”, ao passo que descreveu Aursnes como “um jogador flexível”, sem o rotular de defesa ou médio, pois “adapta-se muito bem e joga a um nível alto em diferentes posições”, com o jogador a gostar de ter novos desafios, numa altura em que o calendário volta a apertar, com várias competições em disputa.

“Estamos felizes por ter de jogar muitos jogos, pois é sinal de que não estamos apenas numa competição. O calendário é muito exigente e o descanso entre jogos, por vezes, é um desafio, mas já mostrámos que somos capazes de focar e jogar bem para vencer jogos. É a tarefa para as próximas semanas e a melhor forma de a fazer é estar 100% focado no próximo duelo. Não vale a pena pensar nos 10 jogos seguintes”, sublinhou.

O Benfica lidera a I Liga portuguesa de futebol, com 51 pontos, embora com mais um jogo do que o Sporting, segundo, com 49, e visita no domingo, pelas 20:30, o Vitória de Guimarães, quinto, com 39, com arbitragem de Luís Godinho, da associação de Évora.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.