Na comissão parlamentar de Economia, Margarida Matos Rosa, presidente da Autoridade da Concorrência (AdC), referiu que, no trabalho de revisão das recomendações feitas para os combustíveis líquidos desde 2004, notou-se que “muitas delas não foram implementadas”.

“Acreditando nós que as recomendações trariam maior concorrência no setor e consequentemente uma possível baixa de preços, resultante dessa concorrência e o aumento da qualidade do serviço, se as recomendações não forem implementadas ou apenas parcialmente, não podemos garantir que haja de facto um 'timing' previsto para que o aumento da concorrência possa surtir efeito”, afirmou a responsável, escusando-se, por agora, a pormenorizar a situação.

Quanto ao gás de botija, a responsável indicou que uma das recentes recomendações feitas foi implementada, mas a líder da AdC sugeriu “prudência” na comparação de preços do gás de botija entre Portugal e Espanha, uma vez que houve decisões judiciais que obrigaram o Estado espanhol a compensar a Repsol.

“Praticamente monopolista no mercado”, a empresa recebeu compensações por o “preço do gás em botija não cobrir os custos de fornecimento”, pelo que a fatura foi paga indiretamente pelos consumidores, alertou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.