O órgão emissor brasileiro elevou de 88% para 100% o risco de o Brasil não cumprir a meta de inflação de 3,5%, com índice de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, segundo seu relatório trimestral de inflação.

A inflação no Brasil ronda os 12%, impulsionada principalmente pela subida dos preços dos combustíveis, embora o mercado financeiro preveja que encerre 2022 em cerca de 8,5%.

O aumento de preços obrigou o Banco Central brasileiro a elevar gradativamente as taxas de juros, que hoje estão em 13,25% ao ano, seu maior nível desde dezembro de 2016.

Na ata de sua última reunião, o órgão emissor indicou que pretende continuar elevando o preço do dinheiro até que a inflação dê sinais de desaceleração.

O Brasil fechou 2021 com inflação de 10,06%, a maior taxa acumulada desde 2015, quando o índice foi de 10,67%.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.