Em comunicado, o Lidl estima ainda um contributo para a economia local, com compras a fornecedores madeirenses – comerciais e de serviços – na ordem dos 20 milhões de euros.

Segundo salienta, nesta expansão da operação à Madeira “a sustentabilidade mantém-se como um dos seus principais focos”, pelo que as novas lojas “serão dotadas de painéis fotovoltaicos, assim como de postos de carregamento elétricos multi-standard e de carregamento rápido, que possibilitam uma recarga de 80% da bateria em 30 minutos, permitindo um abastecimento durante uma ida regular às compras”.

Adicionalmente, toda a frota da empresa será “100% elétrica”.

Citado no comunicado, o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, considera que “a expansão da operação do Lidl à Madeira é, sem dúvida, uma boa notícia”: “Trata-se de uma empresa internacional, de grande credibilidade, e para a Madeira será muito importante este investimento de 100 milhões de euros e 150 postos de trabalho em 2023, com a dinamização da economia e a perfeita articulação entre a sua atividade e os nossos produtores locais e empresários, beneficiando sempre, obviamente, o consumidor”, sustenta.

Segundo acrescenta, “o Lidl traz ainda a vantagem da possibilidade de introdução de produtos madeirenses na sua rede internacional”.

Já a diretora de Assuntos Públicos e Comunicação Corporativa do Lidl Portugal, Elena Aldana, aponta como objetivo “proporcionar a melhor experiência de compra aos habitantes da ilha e trabalhar de forma próxima com parceiros e com a comunidade local, que são fundamentais”.

“Consideramos que estão agora reunidas as condições para darmos este passo, que consolida, uma vez mais, o nosso investimento em Portugal”, refere.

Presente em Portugal há 26 anos, o Lidl emprega atualmente mais de 8.200 colaboradores no país, distribuídos por 265 lojas e quatro direções regionais e entrepostos, para além da sede: Santo Tirso (Norte), Torres Novas (Oeste), Sintra (Centro) e Palmela (Sul).

Citando um estudo de impacto realizado pela consultora KPMG, o Lidl Portugal diz ter contribuído, em 2018, com 2.120 milhões de euros para a geração de riqueza, representando 1% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

O Lidl pertence ao retalhista alimentar alemão Schwarz, que está presente em 32 países e conta com cerca de 11.550 lojas e mais de 200 centros de distribuição, tendo registado uma faturação de 125.300 milhões de euros em 2020.

Atualmente, o Lidl diz ter mais de 341.000 colaboradores em todo o mundo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.