A empresa americana de capital de risco Andressen Horowitz (a16z) tem sido um dos playersmais ativos no investimento em startups de web3, mesmo num ano em que o mercado (e a economia de uma forma geral) tem estado em queda. Com base no conhecimento e nos projetos com os quais colabora, fez um relatório – o “State of Crypto” – com uma série de indicadores que ajudam a olhar para o mundo descentralizado. Nós lemos o relatório e destacamos aqui cinco conclusões que ajudam a ler o mundo das criptomoedas.

#1 Estamos no meio do quarto ciclo de “preço-inovação”

Os mercados são sazonais; as criptomoedas não são exceção. Embora o mercado de criptoativos possa ser volátil e os seus ciclos pareçam caóticos, existe uma lógica subjacente em ação. Enquanto que os preços são frequentemente um indicador de atraso de desempenho em algumas indústrias, na criptoeconomia são um indicador principal. Os preços são um gancho. Para a Andressen Horowitz, os números despertam o interesse, o que impulsiona as ideias e a atividade, o que por sua vez impulsiona a inovação. Chamam a este ciclo de feedback “o ciclo de inovação de preços”, que consideram ser o motor que tem impulsionado a indústria através de múltiplas ondas distintas desde o início da Bitcoin em 2009.

Embora o mercado de criptoativos possa ser volátil e os seus ciclos pareçam caóticos, existe uma lógica subjacente em ação

A a16z utiliza o exemplo comparativo do crash das dotcom, em que quaisquer potenciais fundadores que juraram não utilizar mais a tecnologia e a Internet, perderam as melhores oportunidades da década: cloud computing, redes sociais, streaming de vídeo online, smartphones, etc. Agora, diz a capital de risco, é o momento de considerar quais serão os sucessos equivalentes na web3.

#2 A Web3 é muito melhor para os criadores do que a Web2

A equipa da a16z realizou uma nova análise de dados para estimar quanto a web3 está a pagar aos criadores em comparação com a web2. Embora ainda seja cedo, os números são reveladores. Em 2021, as vendas primárias de NFTs baseadas em Ethereum, mais os royaltiespagos aos criadores a partir das vendas secundárias no OpenSea (a maior plataforma de compra e venda de NFTs), renderam um total de 3,9 mil milhões de dólares. Isso quadruplica os mil milhões de dólares – menos de 1% das receitas – que, por exemplo, a Meta (dona do Facebook e do Instagram) reservou para os criadores até 2022.

Os números são ainda mais extraordinários, considerando quantos utilizadores da web2 versus web3 existem: Contaram 22.400 criadores de web3 (com base no número de coleções NFT) em comparação com os quase 3 mil milhões de utilizadores que publicam conteúdos nas plataformas Meta. Enquanto em termos absolutos, Spotify e YouTube pagaram mais aos criadores – $7 mil milhões e $15 mil milhões, respetivamente – a disparidade “per capita” é impressionante. Segundo a  análise do fundo de investimento, a Web3 pagou $174.000 por criador, enquanto a Meta pagou $0,10 por utilizador, Spotify pagou $636 por artista, e o YouTube pagou $2,47 por canal.

#3 Crypto está a ter um impacto real no mundo

Considere-se o sistema financeiro. O status quo tem falhado a muitas pessoas: mais de 1,7 mil milhões de pessoas não têm contas bancárias, de acordo com dados do Banco Mundial. A procura de financiamento descentralizado ou DeFi, e de dólares digitais, aumentou dramaticamente nos últimos anos, mesmo depois de contabilizar a recente recessão. Para populações mal servidas – mil milhões das quais têm telemóveis – os produtos “cripto” oferecem uma hipótese de inclusão financeira.

Outro exemplo são as DAOs, ou organizações autónomas descentralizadas, que mostram como os estranhos podem coordenar e cooperar economicamente para atingir objetivos. Os NFTs concedem às pessoas direitos de propriedade virtual sobre imagens, obras de arte, música, artigos dentro do jogo, bilhetes, terrenos em mundos virtuais, e outros bens digitais. E os incentivos simbólicos permitem aos recém-chegados contornar o problema do “arranque a frio” e os efeitos de rede de arranque. A criptoeconomia é muito mais do que apenas uma inovação financeira – é uma inovação social, cultural, e tecnológica.

#4 Ethereum é o claro líder, mas vai enfrentar competição

O Ethereum domina a conversa na web3, mas agora também há muitas outras correntes de bloqueio. Developers de blockchains como Solana, Polygon, BNB Chain, Avalanche, e Fantom estão a angariar para um sucesso semelhante.

A liderança do Ethereum tem muito a ver com o seu início precoce e com a saúde da sua comunidade. Quanto ao interesse dos promotores, o Ethereum tem de longe o maior número de construtores, com quase 4.000 promotores mensais ativos. A seguir é Solana (com quase 1.000) e Bitcoin (cerca de 500). A esmagadora partilha de ideias do Ethereum ajuda a explicar porque é que os seus utilizadores têm estado dispostos a pagar mais de 15 milhões de dólares em taxas por dia, em média, apenas para utilizar a blockchain.

A popularidade do Ethereum é também uma faca de dois gumes. Uma vez que o Ethereum tem valorizado historicamente a descentralização em detrimento da escala, outras blockchains têm sido capazes de entrar e atrair utilizadores com promessas de melhor desempenho e taxas mais baixas. (Alguns poderão argumentar que o fazem à custa da segurança).

A popularidade do Ethereum é também uma faca de dois gumes

Para além das cadeias de bloqueio desafiantes, estamos também a assistir a um progresso incrível com a interoperabilidade, que permite às pessoas “fazer a ponte” entre os ativos de uma blockcahin para outra, bem como tecnologias de “layer 2”, tais como rollups otimistas e rollups de conhecimento zero, que visam reduzir os custos.

#5 Ainda estamos apenas no início

Embora seja difícil saber o número exato de utilizadores da web3, podemos raciocinar sobre a escala do movimento. A a16z estima que existem atualmente entre sete a 50 milhões de utilizadores ativos de Ethereum, com base em várias métricas da cadeia. A analogia com a Internet comercial inicial, que nos coloca algures por volta de 1995 em termos de desenvolvimento. A Internet atingiu mil milhões de utilizadores em 2005 – aliás, por volta da altura em que a web2 começou a tomar forma no meio da fundação de futuros gigantes como o Facebook e o YouTube.

Mais uma vez, embora seja muito difícil de estimar, se as linhas de tendência continuarem como descrito, a web3 poderá chegar a mil milhões de utilizadores até 2031. Por outras palavras, ainda está só no início.

O relatório completo do “State of Crypto” da Andressen Horowitz pode ser lido aqui.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.

Um artigo do parceiro

The Next Big Idea é um site de inovação e empreendedorismo, com a mais completa base de dados de startups e incubadoras do país. Aqui encontra as histórias e os protagonistas que contam como estamos a mudar o presente e a inventar o que vai ser o futuro. Veja todas as histórias em www.thenextbigidea.pt