Que fique claro: não acho “Red Notice”, que estreou na sexta-feira na Netflix, um filme memorável. A história não é super criativa, a filmagem não é muito original e abusa um pouco dos efeitos especiais e os três — protagonistas Dwayne Johnson, Ryan Reynolds e Gal Gadot — acabam por representar papéis não muito distintos da sua personalidade.

Agora, antes de ver o filme, se me tivesse baseado em algumas das críticas de alguns dos principais meios, “Red Notice” parecia ser o pior filme da História. Uma razão para tais opiniões pode ser as expectativas criadas por elenco tão popular. Não é que qualquer um dos atores se tenha destacado em algum filme nomeado para o Óscar (até porque a maior parte deles acabou por ganhar protagonismo em filmes de super-heróis e de ação), mas há uma natural curiosidade quando se juntam três figuras tão sonantes no mesmo projeto.

Gostas do que estás a ler?

Então subscreve aqui a newsletter para receber a versão integral com mais recomendações no teu email.

Todas as terças e sextas-feiras vais receber novas sugestões do que ver, ler e ouvir.

Aproveita também para seguir o Acho Que Vais Gostar Disto no Instagram (@vaisgostardisto) e no Twitter (@vaisgostardisto).

Depois há ainda a clássica desconfiança com um filme da Netflix. É verdade que a plataforma de streaming não tem primado pelos projetos de maior qualidade e, fora algumas exceções como “The Irishman”, “Marriage Story” e mais recentemente “Passing”, a aposta em comédias ou filmes de ação “série B” tem feito a maior parte dos críticos de cinema revirar os olhos com as longas-metragens originais do serviço. “Red Notice” acaba por se inserir nesta categoria e, portanto, foi mais uma oportunidade para questionar o critério da Netflix para os filmes que decide produzir/apoiar.

No meu caso, olho para este filme como uma boa companhia para um domingo à tarde, sem uma narrativa demasiado complexa e com ação suficiente para me manter entretido durante 1 hora e 57 minutos. Na história, começa por nos ser apresentada uma lenda: há 2.000 anos, o imperador romano Marco António ofereceu à Rainha Cleópatra três ovos de ouro, um símbolo do seu amor impossível, que culminou em ambos tirarem a própria vida por não conseguirem estar juntos. Quanto aos ovos, acabaram por ir sendo vendidos sucessivamente a reis e magnatas (que foram beneficiando do crescente valor destes artefactos) e nunca mais estiveram no mesmo espaço até aos dias de hoje.

Só que, agora, um bilionário egípcio quer oferecer os três ovos à sua filha como prenda de casamento e comunica que está disposto a oferecer 300 milhões de euros à pessoa que os conseguir trazer intactos. Problema? Um dos ovos está num museu em Roma, outro está no cofre de um criminoso e o terceiro está desaparecido. Por isso, este é um trabalho que só está ao nível dos melhores ladrões do mundo. Um deles é Nolan Booth (Ryan Reynolds), que conhecemos em Itália, com a vida pouco facilitada. Por um lado, tem o agente do FBI John Hartley (Dwayne Johnson) e a Interpol no seu encalço. Por outro, tem um ladrão rival, o Bispo (Gal Gadot), que tem comprometido alguns dos seus assaltos dando informações à polícia.

Na busca pelo primeiro ovo, é precisamente isso que volta a acontecer. O Bispo encontra uma maneira de ficar com o ovo e de não só incriminar Booth, como o próprio agente que estava na sua perseguição. Fechados numa prisão de máxima segurança na Rússia, o ladrão e o polícia são obrigados a formar uma parceria improvável para escaparem e limparem o seu nome. Só que para Booth isso significa roubar primeiro os três ovos, enquanto para Hartley, o importante é apenas apanhar o Bispo, por isso, os seus objetivos e planos não estão sempre alinhados.

É neste ambiente de conflito que o filme vai evoluindo, tendo pelo meio várias viagens pelo mundo, a descoberta de segredos de um colecionador de arte nazi e ainda uma tourada. Eu sei que parece confuso, mas no final até acaba tudo por fazer algum sentido. “Red Notice” é claramente uma tentativa da Netflix de ter o seu próprio franchise de caças ao tesouro e, não dando spoilers, o final algo forçado só existe para justificar uma sequela, que provavelmente vai acontecer. Está longe de ser um “Indiana Jones”, mas para o serviço de streaming também não é isso que interessa. Desde que tenha milhões de pessoas a ver e subscrever a sua plataforma, o filme já lhe dá todo o ouro de que necessita.

Reviews à parte, há alguns números que ajudam a mostrar que nem sempre os líderes de opinião representam o consenso geral sobre um filme:

  • “Red Notice” é o conteúdo mais visto na Netflix nos últimos quatro dias, no mundo inteiro.

  • No Rotten Tomatoes, apesar de o filme ter a aprovação de apenas 39% da crítica, o indicador das audiências indica uma aprovação de 92%.

Falta só verem o filme e escolherem de que lado ficam.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.