A programação, desenvolvida pela Casa Fernando Pessoa e pela Fundação José Saramago, abre hoje quando passam 94 anos sobre o nascimento do Nobel português da Literatura, e termina no dia 30, quando se completam 81 anos sobre a morte do autor de "Mensagem".

O ciclo abre com a peça "A ilha desconhecida", de Saramago, pelo grupo de teatro Trigo Limpo, da Associação Cultural e Recreativa de Tondela (ACERT), hoje, na Casa dos Bicos, sede da Fundação José Saramago (FJS), em Lisboa.

"'A ilha desconhecida' navega pela história de um homem que queria um barco, para procurar uma ilha desconhecida, de um rei que lho concedeu, de uma mulher da limpeza que afirmava: 'Se não sais de ti, não chegas a saber quem és'", e nasce da relação de amizade entre a ACERT e a FJS, como "um objeto teatral que transcende a dimensão literária e desafia quem a vê a procurar as suas ilhas desconhecidas", segundo a organização.

A estreia de composições sobre textos dos dois escritores, pelo quarteto do guitarrista André Fernandes, o novo projeto de Júlio Resende e Salvador Sobral, a "arte urbana" de André da Loba e o trabalho de reclusos do Estabelecimento Prisional de Lisboa, que também evocam a obra de Pessoa, são algumas das iniciativas dos "Dias do Desassossego" e das suas manifestações paralelas.

Os "passeios literários" têm início no dia 19, à tarde, pelos bairros do Príncipe Real e da Estrela, até à Casa Fernando Pessoa, e prosseguem a 20, pela "Lisboa de Saramago".

Os percursos são retomados nos dias 26, com Saramago, e 27, com a temática pessoana, sob o mote "Outra vez te revejo".

O encerramento do ciclo acontece na Casa Fernando Pessoa, em campo de Ourique, que celebra o seu 23.º aniversário, com o programa "Alexander Search em concerto", o novo projeto dos músicos de jazz Júlio Resende e Salvador Sobral, a partir de poemas escritos por Pessoa em inglês que foram musicados: "As canções precisam de ser cantadas, como os poemas com mais de cem anos precisam de ser ditos".

Em paralelo a este ciclo, realiza-se o projeto de "arte urbana" do ilustrador André da Loba "Pessoa e Saramago nas ruas de Lisboa", no Pátio do Tijolo, ao Príncipe Real, em colaboração com a Galeria de Arte Urbana, da Câmara de Lisboa.

Da programação paralela faz também parte o projeto de declamador Filipe Lopes, no Estabelecimento Prisional de Lisboa. Um grupo de reclusos "vai trabalhar com a obra de Fernando Pessoa, revisitando-a e reescrevendo partes dela", nos dias 21 a 26, culminando o processo na construção conjunta de um texto, a apresentar em recital, a outros reclusos e às suas famílias.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.