“É o maior número num único dia desde o início do surto. E quase dois terços desses casos foram relatados em apenas quatro países”, disse o responsável numa conferência de imprensa ‘online’, a partir da sede da organização, em Genebra.

Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que a OMS está especialmente preocupada com o aumento de casos em países de baixo ou médio rendimento, salientando depois a importância de garantir que os sistemas de saúde continuem a funcionar.

Na conferência de imprensa, o responsável destacou também que a covid-19, doença provocada por um novo coronavírus, não é a única crise que o mundo enfrenta, sendo outra a das alterações climáticas, dando como exemplo o ciclone Amphan, “dos maiores das últimas décadas” e que está a atingir a Índia e o Bangladesh.

E numa perspetiva mais otimista disse que uma das lições que trouxe a covid-19 foi a de que “a saúde não é um custo, é um investimento”.

Numa conferência de imprensa sobre a covid-19 um dia depois do final da Assembleia Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus referiu-se ao evento, “produtivo” e “de uma solidariedade sem precedentes”, mas não à carta que o Presidente dos Estados Unidos mandou também na terça-feira à OMS, dando um prazo de 30 dias para haver “melhorias significativas” na organização, caso contrário acaba definitivamente com a contribuição do país para a OMS.

Questionado diversas vezes pelos jornalistas sobre a carta o responsável máximo da OMS respondeu sempre o mesmo: “Recebemos a carta e estamos a analisar”.

O diretor-geral também foi pouco explícito sobre como colmatar a lacuna caso os Estados Unidos deixem de contribuir para a organização, dizendo que hoje a OMS já não depende tanto das contribuições dos países. No entanto Michael Ryan, diretor para a área das emergências, disse que essa contribuição ia diretamente para programas emergenciais e a falta dela “terá uma implicação negativa”.

Sobre a investigação independente à resposta da OMS à covid-19, decidida na Assembleia Mundial da Saúde, o diretor-geral disse que ela será feita o mais rapidamente possível e quando “as condições o permitirem”.

E salientou depois que já foi feita uma avaliação independente que incide sobre os meses de janeiro a abril.

Na conferência de imprensa, em respostas aos jornalistas, Michael Ryan também avisou que medicamentos como cloroquina ou hidroxicloroquina não foram até agora identificados como eficazes, e Maria Van Kerkhove, que dirige a resposta à doença, disse que há atualmente mais de 120 vacinas a ser testadas, algumas delas já em pessoas.

Desde que o novo coronavírus foi detetado na China, em dezembro do ano passado, a pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 323 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço da agência de notícias France Presse (AFP).

Em Portugal, morreram 1.263 pessoas das 29.660 confirmadas como infetadas, e há 6.452 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.