“Se eu não tivesse estado nesta disputa, estaríamos hoje a lamentar ainda mais a progressão da extrema-direita”, afirmou Ana Gomes, em declarações aos jornalistas, no final da noite eleitoral.

António Costa foi "principal responsável" por deserção do PS

“Lamento profundamente a não comparência a estas eleições por parte do meu partido, o PS, que assim contribuiu para a dar vitória ao candidato da direita democrática. Foi uma deserção que critiquei e pela qual decidi apresentar esta candidatura”, afirmou a militante do PS e antiga eurodeputada socialista, na sua declaração no final da noite eleitoral.

Na fase de perguntas, e questionada se responsabilizava o secretário-geral do PS por essa deserção, respondeu: “António Costa, obviamente, foi o principal responsável por essa deserção”.

“A minha candidatura fez-se desde a primeira hora do empenhamento de milhares de socialistas, de norte a sul, do litoral ao interior”, afirmou, agradecendo em especial aos membros do Governo, deputados e autarcas, que estiveram ao seu lado.

A antiga eurodeputada assegurou que manterá a sua condição de militante de base do PS, e disse esperar que sejam esses militantes que ajudem a direção do partido “a refletir profundamente e a tirar consequências da sua atuação”.

“A direção do PS apostou na diluição das fronteiras políticas entre a esquerda e a direita democrática. Tal diluição não serve certamente a democracia”, afirmou.

Questionada se António Costa também lhe telefonou - como fez com o Presidente reeleito -, Ana Gomes respondeu negativamente: “Esta noite só falei com o professor Marcelo Rebelo de Sousa, não falei com mais nenhum dirigente partidário”,

Mas as críticas de Ana Gomes dirigiram-se também aos restantes partidos de esquerda, lembrando que há pouco mais de um ano tiveram “dois terços dos votos” nas legislativas.

“Nestas presidenciais, preocuparam-se com a suas próprias agendas em vez de convergir e assim concorreram para dar vitória do candidato da direita democrática”, apontou.

Foi aos partidos tradicionais que Ana Gomes apontou também a responsabilidade de não responderem aos anseios dos “muitos cidadãos desapontados”, que considera estar na origem dos resultados de candidaturas como a de André Ventura - que nunca nomeou.

Ana Gomes considerou que a sua candidatura foi “uma missão de serviço público” e, questionada sobre o seu futuro político, garantiu que nunca se reformará da política.

“Nunca me resignarei a que a democracia degenere e fique à mercê de foras antidemocráticas que cavalgam o ressentimento dos cidadãos”, disse.

E desafiada a dizer se se poderá recandidatar a Belém daqui a cinco anos, a candidata respondeu com ironia: “Sei lá se ainda estou viva daqui a cinco anos, estou reformada da vida profissional, mas nunca me reformarei da política”, afirmou, despedindo-se com um “até à próxima”.

(Notícia atualizada às 00:38)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.