“A população está a fugir em todas as direções porque não há presença do exército nesta área”, disse Kinos Katuho, o presidente da sociedade civil da aldeia de Mamove, localizada a cerca de 12 quilómetros do local do incidente, de acordo com os meios de comunicação locais.

O ataque ocorreu na aldeia de Mambumembume na província de Kivu do Norte.

Katuho disse que os rebeldes atearam fogo a cerca de dez casas e que se desconhece o paradeiro de várias pessoas.

Os atacantes usaram catanas para matar algumas das suas vítimas e a sociedade civil está a recuperar os corpos para os transportar para uma morgue próxima, disse Katuho.

A ADF é um grupo rebelde de origem ugandesa, atualmente sediado no nordeste da RDC, perto da fronteira do país com o Uganda.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a ADF foi responsável por cerca de 1.260 mortes em 2021, o que a tornou no grupo armado mais letal da RDC.

Além disso, as autoridades ugandesas acusaram a ADF de organizar três atentados suicidas à bomba no seu território em novembro de 2021.

Os objetivos da milícia não são claros, para além de uma suposta ligação à organização terrorista Estado Islâmico, que por vezes reivindica a responsabilidade pelos seus ataques.

Embora os peritos do Conselho de Segurança da ONU não tenham encontrado provas de apoio direto da Estado Islâmico à ADF, os Estados Unidos identificaram os rebeldes como uma “organização terrorista” afiliada ao grupo jihadista desde março de 2021.

A fim de neutralizar a ADF, os exércitos da RDC e do Uganda iniciaram uma operação militar conjunta em solo congolês no final de novembro de 2021, que ainda está em curso.

Desde 1998, o leste da RDC tem sido assolado por conflitos alimentados por milícias rebeldes e ataques de soldados do exército, apesar da presença da missão de manutenção da paz da ONU, com mais de 14.000 soldados.

A ausência de alternativas e de meios de subsistência estáveis levou milhares de congoleses a pegar em armas e, segundo o barómetro de segurança de Kivu, o Grupo de Estudo do Congo, a região é o campo de batalha de pelo menos 122 grupos rebeldes.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.