Por outro lado, as autoridades vão continuar as operações de socorro, na sequência das inundações ocorridas entre os dias 17 e 18 deste mês. A polícia confirmou, até agora, pelo menos 47 mortos e cinco desaparecidos.

“O trabalho pós-inundação precisa de uma coordenação adequada, não quero atrasos no processo, incluindo a entrega de assistência às vítimas”, disse o primeiro-ministro malaio, Ismail Sabri Yaakob, noticiou o jornal The Star.

De acordo com a previsão meteorológica do Departamento de Irrigação e Drenagem da Malásia, várias áreas nos estados de Kelantan e Terengganu, no nordeste do país, podem registar uma novas inundações, entre quinta e sexta-feira, com a chegada de uma nova tempestade, quando os níveis dos rios estão quase a transbordar.

Em outras zonas, o retrocesso gradual das águas permitiu o acesso da polícia e das equipas de busca e salvamento a regiões afetadas pelas cheias, registadas em sete províncias do país, incluindo Kuala Lumpur, mas as áreas mais atingidas foram os estados de Selangor e Pahang, na região central da península malaia.

A polícia disse ter retirado mais de 68 mil pessoas para abrigos, enquanto o Governo malaio anunciou um fundo de 23 milhões de dólares (cerca de 21 milhões de euros) em ajudas para reconstrução.

A Malásia tem duas estações chuvosas: uma entre maio e setembro, causada pela monção de sudoeste, e outra entre outubro e março, devido à monção de nordeste, mais severa e que afeta geralmente a parte oriental da península malaia e do Bornéu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.