A campanha decorrerá em todo o país sob o mote “A sua ajuda pode ser o que falta à mesa de uma família” e durante os três dias os voluntários vão estar em mais de duas mil superfícies comerciais a recolher os bens que forem doados, segundo um comunicado da instituição.

Em regra, o Banco Alimentar promove duas campanhas por ano que se destinam a angariar alimentos básicos para pessoas carenciadas, como leite, arroz, massas, óleo, azeite, grão, feijão, atum, salsichas, bolachas e cereais de pequeno-almoço.

Os bens que forem entregues aos voluntários à saída dos supermercados são encaminhados para os diversos armazéns do Banco Alimentar, onde são separados e acondicionados antes de serem distribuídos pelas pessoas com carências alimentares comprovadas.

Até 03 de dezembro há a possibilidade ainda de contribuir com vales disponíveis nas caixas dos supermercados ou através de uma plataforma eletrónica disponível em www.alimentestaideia.pt.

O Banco Alimentar Contra a Fome apela à participação das pessoas “numa altura em que cada vez mais famílias enfrentam dificuldades, em resultado da inflação e, sobretudo, do grande aumento das taxas de juro dos créditos à habitação”.

Em declarações em maio à Lusa, a presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, Isabel Jonet, disse que os pedidos de ajuda tinham quase duplicado nos primeiros quatro meses do ano face a 2022.

Na primeira campanha nacional deste ano, em maio, o Banco Alimentar recolheu mais de 1.719 toneladas de alimentos com a ajuda de 40 mil voluntários.

Em 2022 foram distribuídas 28.905 toneladas de alimentos a 395 mil pessoas carenciadas.

A Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares congrega a rede de bancos alimentares nacionais, que totalizam 21.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.