O decreto-lei que permitirá a Theresa May accionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa e começar a negociar a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), foi aprovado por 498 votos contra 114, depois de dois dias de debate na Câmara dos Comuns.

O primeiro passo está dado, a próxima etapa legislativa, mais detalhada, começa no próximo dia 6 de fevereiro, também na Câmara dos Comuns, escreve a Reuters.

Segundo a BBC, o Partido Nacional Escocês e os liberais democratas opuseram-se, enquanto 47 deputados do Partido Trabalhista se rebelaram, votando contra o accionar do artigo 50, desafiando assim as indicações do líder do partido, Jeremy Corbyn.

Adianta a Sky News, sem identificar o responsável, que um deputado gritou "suicídio" quando o resultado desta votação foi anunciado.

O projeto de lei, que contém apenas duas cláusulas e 143 palavras, irá permitir lançar formalmente o artigo 50.º do Tratado de Lisboa até ao final de março.

O artigo 50.º, que nunca foi acionado antes, dá início ao processo formal de negociações de saída da UE, escolhida por 52% dos britânicos no referendo de 23 de junho de 2016.

O diploma contém um texto que dificulta a introdução de emendas por parte dos deputados no sentido de atrasar a decisão ou bloquear as intenções do governo durante eventuais negociações sobre o texto final.

Na terça-feira, primeiro dia do debate, o ministro do ‘Brexit’, David Davis, reiterou que a saída da UE é ponto assente.

“Este projeto-lei não é para se saber se o Reino Unido deve ou não sair da UE, ou como o deve fazer. Trata-se simplesmente de aplicar uma decisão já tomada, um ponto de não retorno que já passámos”, disse David Davis na Câmara dos Comuns do parlamento britânico.

O governo da primeira-ministra Theresa May — que tentou contornar uma autorização do parlamento para ativar o ‘Brexit’, mas foi obrigado a pedi-la por ordem do Supremo Tribunal — não deverá ter problemas na aprovação da lei na Câmara dos Comuns, mas poderá sentir mais dificuldades na Câmara dos Lordes, onde o Partido Conservador não tem maioria.

O projeto-lei segue depois para debate nos Lordes a partir de 20 de fevereiro.

O governo britânico espera uma aprovação final a 7 de março, ainda a tempo de cumprir o calendário de Theresa May, que quer apresentar a Bruxelas o pedido formal de saída até ao final desse mês.

O jornal The Times escreve mesmo que — em caso de aprovação final a 07 de março – May poderia ativar o artigo 50.º na cimeira europeia de 09-10 de março.

Seguir-se-ia então um período de dois anos de negociações entre o Reino Unido e a UE, incluindo um novo acordo comercial do país com o bloco europeu.

No entanto, o negociador da UE para o Brexit, Michel Barnier, realçou recentemente que as conversações terão de estar concluídas até outubro de 2018, para que a União e os parlamentos nacionais dos Estados-membros possam ratificar o acordo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.