Esta é apenas a terceira vez na história dos Estados Unidos que o Câmara dos Representantes votou um inquérito para destituição de um Presidente em exercício.

“É a nossa democracia que está em jogo”, afirmou hoje Nancy Pelosi, líder Democrata da Câmara de Representantes, referindo-se ao processo de investigação sobre as alegadas pressões do Presidente sobre um líder estrangeiro, usando o poder do cargo que ocupa para obter benefícios políticos próprios.

A Casa Branca reagiu à votação no Congresso, através de um comunicado, dizendo que “é injusto, inconstitucional e fundamentalmente antiamericano”.

Na sua conta pessoal da rede social Twitter, Donald Trump repetiu a expressão que tem usado muitas vezes sobre este inquérito, que já decorre há um mês: “É uma caça às bruxas!”

Na prática, a resolução da Câmara dos Representantes apenas define as regras para o futuro da investigação à atividade de Donald Trump, tornando pública a apresentação de provas e permitindo aos advogados do Presidente preparar a sua defesa.

O inquérito já decorre há um mês e já levou à audição de várias testemunhas, incluindo assessores do Presidente e funcionários do Departamento de Estado, que estiveram envolvidos no relacionamento dos EUA com a Ucrânia ou tiveram acesso às reuniões e telefonemas entre a equipa de Donald Trump e o Governo de Kiev.

A nova fase de inquérito acontece 20 anos depois de um outro processo de destituição, contra Bill Clinton, quando a Câmara de Representantes, de maioria democrata, aprovou uma resolução para a investigação da possível obstrução de justiça do Presidente, num caso que envolvia uma relação com uma estagiária, na Sala Oval da Casa Branca.

Tal como há 20 anos, a votação da resolução para tornar público o inquérito, permitirá agora tornar públicas as provas recolhidas, antes de serem apresentados artigos de destituição que terão de ser votados na Câmara de Representantes.

Se forem aprovados, esses artigos seguem para o Senado (com maioria do Partido Republicano, que apoia Trump) onde, se forem aprovados por uma maioria de 2/3, levarão à remoção de Donald Trump do cargo de Presidente dos EUA.

O inquérito procura averiguar se houve uma pressão, com existência de contrapartidas (“quid por quo”), sobre o Presidente da Ucrânia, para que o filho de um adversário político de Trump, Joe Biden, fosse investigado num caso de corrupção, a partir da denúncia de um funcionário da CIA, que teve acesso a um telefonema, em julho, onde teria sido feito esse pedido.

Trump tem negado a existência de qualquer pressão, dizendo que o telefonema foi “totalmente correto” e acusando o Partido Democrata de uma “caça às bruxas”, procurando retirar dividendos políticos da situação para prejudicar a sua campanha para reeleição nas presidenciais de 2020.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.