No âmbito de uma reunião de conciliação entre administração da Carris e os sindicatos, que decorreu hoje no Ministério do Trabalho, em Lisboa, o dirigente da Fectrans Manuel Leal considerou “muito positivo” que a empresa tenha decidido terminar com o processo de discriminação dos trabalhadores, independentemente de serem sindicalizados ou não, e que tal será efetivado já nos recibos de vencimento do mês de setembro.

Em causa estão melhorias introduzidas no processo de revisão do Acordo de Empresa, “fundamentalmente ao nível dos fatores de remuneração que foram alvo de negociação, entre eles a integração do agente único na tabela salarial, a questão de uma atualização do subsídio de refeição e do subsídio de transporte”, avançou à agência Lusa Manuel Leal.

“As matérias de natureza pecuniária serão aplicadas, sem exceção, a todos os trabalhadores”, afirmou o responsável da Fectrans, explicando que esta tem sido uma das reivindicações dos sindicatos.

Ainda assim, a questão de fundo permanece sem ser resolvida, que é a assinatura do texto inicial de revisão do Acordo de Empresa (AE) que continha todas as matérias que foram alvo de negociação com a Fectrans, indicou Manuel Leal, acrescentando que o novo texto enviado pela empresa contém uma cláusula de adesão individual ao AE que não tem o aval dos sindicatos.

“A empresa ainda continua com a mesma postura de não querer honrar o compromisso que assumiu em 12 de junho, continuando a recusar a assinatura deste texto com a Fectrans”, referiu o sindicalista.

Assim, a Fectrans solicitou “a passagem deste processo à fase de mediação, no sentido de continuar a encontrar os pontos de diálogo para resolver o problema”, através de reuniões entre as partes mediadas pelo Ministério do Trabalho.

Na perspetiva do dirigente da Fectrans, a eliminação da discriminação entre trabalhadores “abre a porta à resolução do problema porque, se efetivamente a empresa considera que não efetuará a discriminação dos trabalhadores, não faz sentido absolutamente nenhum que o AE contenha uma cláusula de adesão individual que efetivamente seria, se fosse aplicada, fator de discriminação”.

“Esta primeira forma de abrir a porta à resolução do problema não resolve o problema de imediato, mas estamos convencidos que a razão acabará por prevalecer e que a empresa chegará à conclusão que deve honrar os princípios da boa-fé negocial e fazer a assinatura do texto que enviou à Fectrans”, declarou Manuel Leal.

Questionado se estão previstas ações de luta, o sindicalista disse que será o rumo dos acontecimentos a determinar o que fazer.

“Nesta altura, a Fectrans privilegiará a possibilidade de resolver esta situação pelo diálogo em torno deste processo de mediação. Se, entretanto, este processo em termos da mediação continuar a não abrir perspetivas, obviamente que todas as formas, sem excluir absolutamente nenhumas, incluindo a greve, podem vir a ser equacionadas”, ressalvou o dirigente sindical.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.