“Não chega dizer que não queremos mais um tostão para o Novo Banco. Temos de ir mais longe. Temos de saber o que aconteceu e temos de denunciar o contrato que o Estado português fez com a Lone Star e que serve para este assalto permanente aos cofres públicos”, afirmou Catarina Martins.

A coordenadora bloquista falava esta tarde na cidade de Almada, no distrito de Setúbal, durante uma sessão de ‘rentrée’ do partido, que contou também com a intervenção da deputada Joana Mortágua.

Catarina Martins já tinha afirmado hoje em entrevista ao Expresso que o BE faz depender a viabilização do Orçamento do Estado do fim das transferências para o Novo Banco e da realização de uma auditoria feita por instituições públicas.

Na entrevista, Catarina Martins considera “uma irresponsabilidade” o Orçamento para 2021 prever continuar a fazer transferências para o Novo Banco, por entender que a gestão do banco “está a lesar o interesse público em milhões e milhões de euros”.

Na sessão hoje à tarde, a líder bloquista defendeu a necessidade de o poder político se “libertar do sistema financeiro” e mudar as prioridades de investimento.

“Que tenhamos a coragem de usar bem os recursos públicos na resposta ao nosso povo nesta crise e travemos a sangria de recursos para o Novo Banco e para o sistema financeiro”, desafiou.

No seu discurso, Catarina Martins aproveitou também a afirmação da presidente, Ursula von der Leyen, de que “nada será como antes” da pandemia de covid-19 para pedir que se olhe para quem “esteve sempre na linha frente” com salários precários e sem direito a um contrato de trabalho.

“Este é o momento de fazer escolhas, pois nada poderá ficar como antes”, atestou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.