O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, citado em comunicado, classificou como “extremamente preocupante” a perda de eletricidade nas centrais, alertando para o risco de um acidente nuclear.

“Em simultâneo, a falta de energia fora das centrais nucleares da Ucrânia, mostra que a situação de segurança nuclear no país é cada vez mais precária, desafiadora e potencialmente perigosa”, sublinhou.

A central voltou a ser alvo de ataques esta semana, mas a AIEA já garantiu não haver fugas.

Grossi lembrou que esta foi a primeira vez que todas as centrais nucleares sofreram, em simultâneo, uma falha de energia, o que defendeu ser “completamente inimaginável” antes da guerra.

Assim, a AIEA voltou a pedir o fim de todas as ações militares que ameaçam a segurança das centrais nucleares ucranianas.

Esta agência adiantou ainda que a operadora ucraniana Energoatom está a fazer os possíveis para “retomar a operação”.

Os especialistas da AIEA em Zaporizhia já confirmaram que os geradores de emergência foram desligados durante a manhã.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.