Pedro Nunes, adjunto de operações nacional da Proteção Civil, referiu em conferência de imprensa que "desde a passada sexta-feira até às 12h do dia de hoje temos registo de aproximadamente 300 incêndios rurais".

"Neste momento, não temos nenhuma situação em curso que nos cause preocupação", disse. "Durante o dia de ontem, as situações que maior preocupação trouxeram ao dispositivo foram o incêndio ocorrido no distrito de Santarém, em Salvaterra de Magos, e outro ocorrido em Faro, no concelho de Tavira".

"Vamos assistir já durante o dia de hoje e também no dia de amanhã a um aumento muito significativo do perigo meteorológico de incêndio rural, com maior expressão nas regiões do Centro e do Norte", referiu Pedro Nunes, explicando que "isto se traduz em tempo quente e seco, com vento e com uma variável que não ocorre muitas vezes: é muito provável que, no território nacional, possam ocorrer trovoadas, fruto da instabilidade atmosférica".

Desta forma, com "uma preocupação acrescida", esperam-se "focos [de incêndio] com uma progressão muito rápida e que rapidamente ficam fora da capacidade de combate" dos meios disponíveis no terreno. "Temos aqui um cocktail meteorológico que em nada favorece as forças de combate".

Considerando a elevação do "estado de alerta para o nível amarelo e para o nível laranja para todo o território nacional", foram "pré-posicionados um conjunto de meios dos bombeiros e de outras entidades, nomeadamente em Macedo de Cavaleiros, Vila Real, Castelo Branco e Loulé, para dar mais músculo e força ao dispositivo que já faz parte daquele território". Segundo a ANEPC, "esta estratégia tem corrido bem".

"Até quarta ou quinta-feira, tolerância zero com o uso do fogo. Esta é a mensagem-chave que queremos passar a todas as pessoas que nos estão a ouvir", acentuou Pedro Nunes.

A Proteção Civil deixou ainda as habituais recomendações: evitar o uso de máquinas — tratores, alfaias, motorroçadoras, morosserras, rebarbadoras — nos espaços rurais e florestais, de forma a não haver possibilidade de pontos de ignição.

De acordo com informação disponibilizada pelo IPMA à ANEPC, a partir de quinta-feira o perigo meteorológico vai começar a decrescer "de forma muito considerável", pelo que "as pessoas que trabalham no mundo rural e no mundo florestal podem retomar as suas atividades, com as cautelas exigidas".

Paralelamente, Pedro Nunes confirmou que foram feitas detenções ligadas a incêndios. "Temos informação de algumas detenções. Aliás, foi hoje mencionada essa questão pelo nosso oficial de ligação da GNR. Há algumas detenções que foram realizadas nos últimos dias, não sei precisar o número nem as zonas em concreto. Mas, sim, houve detenções que foram concretizadas, quer pela GNR, quer pela Polícia Judiciária", observou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.