A unidade industrial está orçada em 100 milhões de dólares e poderá criar 200 empregos, segundo valores adiantados em agosto pelas autoridades moçambicanas.

O investimento está previsto para Bobole, Marracuene, nas imediações da capital moçambicana, Maputo.

A marca internacional de cervejas e a Autoridade Tributária negociaram nos últimos meses um pacote fiscal, ainda por divulgar, com vista ao arranque do empreendimento que vai incluir formação de trabalhadores moçambicanos.

O grupo Heineken é o dono da Central de Cervejas de Portugal.

A nova fábrica foi também tema de conversas entre a comitiva do presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, e as autoridades holandesas durante uma visita aos Países Baixos em maio.

Este não é o único grande investimento daquele Estado europeu no país.

Na ocasião, durante a visita à Holanda, a comitiva visitou também a sede da petrolífera Shell, vencedora do concurso para transformação do gás natural que vier a ser extraído da bacia do Rovuma, no norte de Moçambique – previsivelmente a partir de 2023.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.