De acordo com um documento interno divulgado, a instituição bancária estabeleceu 14 de janeiro como data-limite para se vacinarem ou apresentarem uma isenção por motivos religiosos, médicos ou legais, noticia a agência EFE.

Quem não estiver vacinado e falhar na apresentação de uma justificação ficará suspenso, sem remuneração, a partir de 15 de janeiro e será oficialmente despedido no final do mês, pode ler-se num documento que foi distribuído aos trabalhadores.

Uma fonte do banco, citada pelo The New York Times, referiu que mais de 90% dos cerca de 65 mil colaboradores do Citigroup nos Estados Unidos já estão vacinados.

O Citigroup, terceira maior entidade bancária dos EUA, é a primeira grande instituição financeira a demonstrar a intenção de despedir quem não estiver vacinado.

Em outubro, o banco já tinha revelado que ia exigir a vacinação a todos os funcionários, com base na portaria da administração liderada por Joe Biden que exige a imunização aos funcionários contratados pelo governo.

No entanto, o Citigroup não tinha divulgado na altura que ia optar pelo despedimento dos não vacinados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.