A tripulação do avião militar de vigilância marítima P-3C CUP+, da Força Aérea, que se encontrava em missão no Golfo da Guiné, esteve em duas operações contra a pirataria, em 22 e 27 de março, após um pedido das autoridades da Nigéria, do Benim, do Togo e do Gana.

Em 22 de março, os militares portugueses confirmaram um ato de pirataria a cerca de 80 quilómetros da costa da Nigéria, que acabou, depois de encaminhados os meios navais para o local, com a libertação de dois sequestrados, o comandante da embarcação e o engenheiro de máquinas, refere o Estado-Maior-General das Forças Armadas no seu portal.

Na terça-feira, a mesma aeronave detetou um pesqueiro suspeito, "supostamente pirateado por nigerianos", com cinco reféns a bordo (três coreanos, um ganense e um grego). A embarcação foi intercetada pela Marinha do Gana, que a encaminhou depois para o porto de Acra (Gana).

O navio "Bérrio" participou no maior exercício internacional do Golfo da Guiné, o "OBANGAME EXPRESS 18", que, de acordo com um comunicado da Marinha portuguesa, visa treinar a operacionalidade entre os países africanos, europeus e americanos no combate à pirataria, ao narcotráfico e à pesca e migração ilegais.

No exercício, a tripulação da embarcação militar portuguesa efetuou "treinos em cenários fictícios de narcotráfico e pirataria".

Segundo dados da Organização Marítima Internacional e da União Europeia, citados pelo Estado-Maior-General das Forças Armadas, em 2017 o Golfo da Guiné ocupou a segunda posição na lista das regiões marítimas do mundo mais afetadas por pirataria e roubo armado.

Desde 01 de janeiro de 2018 ocorreram 41 ataques a navios (incluindo 29 ao largo da Nigéria), que resultaram em 56 reféns.

Nos primeiros três meses do corrente ano, o número de ataques triplicou face ao período homólogo de 2017 (que totalizou 13 ataques) e o de reféns quase que quadruplicou (em 2017 foram 15 reféns).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.