“O aumento de novos pacientes em estado grave está a diminuir, mas o número de pacientes nos cuidados intensivos continua a aumentar, portanto ainda não atingimos o pico da epidemia, ou seja, ainda estamos numa fase de agravamento. Ainda não chegámos ao fim dos nossos esforços”, afirmou Olivier Véran, ministro da Saúde, em declarações à televisão BFMTV.

A França entrou oficialmente em confinamento no dia 16 de março e, para já, ainda não há qualquer previsão para o seu fim.

“A minha mensagem é que o confinamento continua e ele é mais necessário do que nunca”, indicou o governante, preferindo nem falar no fim do período de quarentena.

Algumas horas mais tarde, em entrevista ao mesmo canal de televisão, Jean-François Delfraissy, presidente do Conselho Científico para a covid-19 junto do Eliseu, disse que esta quarentena vai durar “várias semanas”.

“O confinamento é algo excecional, mas que vai ainda durar várias semanas. Penso que é melhor dizer isto de uma forma clara: ainda não há data prevista de saída. Isso significa que pode durar até ao início de maio, mas não posso ser mais preciso”, disse.

O Conselho Científico é o órgão que reúne diversos especialistas de diferentes ramos da ciência ligados ao estudo de vírus e epidemias e que fazem o ponto de situação ao Presidente da República, Emmanuel Macron, e o aconselham nas medidas sanitárias a impor ao país.

O sentido dos seus pareceres é, assim, contrário ao que muitos dos cerca de 60 milhões de franceses confinados esperavam, após três semanas completas de distanciamento social, ou seja que as medidas podem até agravar-se com a chegada do bom tempo, comno já aconteceu na capital.

Em Paris, a autarquia decidiu proibir as saídas para exercício físico entre as 10h e as 19h. Os motivos para saídas autorizadas em França são o trabalho, compras de bens essenciais, assistência à família, saídas curtas para exercício físico num raio de um quilómetro da residência, idas ao médico em caso de urgência e intimação das autoridades.

Já em Biarritz, a autarquia proibiu que os transeuntes se sentem mais do que dois minutos seguidos num banco público. Em outras cidades, especialmente nas regiões mais afetadas pelo vírus, foi mesmo imposto um recolher obrigatório.

Para circularem na via pública, os franceses precisam de se fazer acompanhar de uma declaração, disponível no site do ministério do Interior, que eles próprios preenchem e onde justificam a saída, declarando por sua honra que não estão a violar as regras em vigor, e que terão de mostrar se abordados pelas autoridades.

Esta segunda-feira, uma declaração eletrónica foi disponibilizada pelo Ministério do Interior, facilitando o trabalho dos mais de 100 mil polícias destacados para manter em vigor as regras de quarentena impostas pelo Governo. O desrespeito destas regras leva a uma multa que começa nos 135 euros e pode agravar-se até aos 3.750 euros.

O vírus já fez 8.911 mortos no país e os hospitais em regiões como o Grand Est ou Île de France, região parisiense, têm as suas unidades de cuidados intensivos em saturação, obrigando à transferência de pacientes graves para outros hospitais em França ou países vizinhos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.