António Costa falava no final de um passeio pela Baía de Luanda, antes de visitar o Navio Oceânico Viana do Castelo, tendo ao seu lado o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Domingos.

Interrogado se a questão das dívidas angolanas a empresas portuguesas representava um novo caso "irritante" entre os dois países, o líder do executivo português recusou essa perspetiva e procurou apresentar uma explicação para o problema.

“Tal como em Portugal, quando sofreu uma crise grande, muitas empresas portuguesas encontraram aqui, em Angola, uma oportunidade de trabalho, não podemos também ignorar que a queda do preço do petróleo teve impacto na economia angolana. Ora, os amigos resolvem com amizade as questões que se colocam”, respondeu.

Para António Costa, a questão das dívidas a empresas portuguesas, cujo volume mínimo se estima entre 400 e 500 milhões de euros, “é seguramente um problema que as empresas portuguesas irão ver resolvido”.

“Esse problema teve impacto em muitas empresas, mas tem vindo a ser feito um trabalho de certificação e, seguramente, serão encontrados bons caminhos. Os problemas das empresas, alguns deles problemas privados, irão seguramente encontrar boa solução”, insistiu.

O primeiro-ministro disse mesmo que tem encontrado da parte das autoridades angolanas “grande preocupação, interesse e motivação para que essas questões sejam ultrapassadas”.

Já quando foi questionado se o caso do processo judicial "irritante", com Manuel Vicente, que chegou a ser a constituído arguido por parte das autoridades judiciárias nacionais no âmbito da ‘Operação Fizz’, estava completamente resolvido para as duas partes, a portuguesa e a angolana, António Costa respondeu de forma afirmativa.

“Esse caso ‘irritante’ está completamente ultrapassado. Tivemos sempre a oportunidade de deixar claro que as nossas relações políticas eram excelentes, que as relações económicas eram boas e que havia um pequeno irritante que estava a complicar. Uma vez ultrapassado esse caso, tudo está bem”, sustentou.

António Costa fez depois mesmo questão de frisar que esse caso do processo judicial com Manuel Vicente “foi verdadeiramente um ‘irritante’ para ambos os países e na mesma proporção”.

“Por isso, a sua resolução mereceu idêntica congratulação por parte dos dois governos”, acrescentou, durante um descontraído passeio a pé de 40 minutos pela Baía de Luanda.

Durante o passeio, António Costa considerou que a remodelação da Baía de Luanda traduz os progressos em termos de renovação urbana introduzidos na capital angolana nos últimos anos.

“Dar este passeio é fabuloso”, comentou o primeiro-ministro ao ouvido do titular da pasta das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.