O estado mais populoso dos Estados Unidos sofreu uma das piores taxas de infeção do país nas últimas semanas, com as unidades de cuidados intensivos dos hospitais lotadas, ambulâncias paradas por horas e casos que duplicaram desde dezembro, atingindo mais de três milhões.

As restrições para tentar manter as pessoas em casa foram impostas a cerca de 20 milhões de habitantes no sul e no centro da Califórnia logo a partir de 3 de dezembro, e o governador Gavin Newsom considerou que o estado tinha "passado a parte mais difícil da onda".

"Com efeito imediato, todas as regiões no estado da Califórnia (...) não estão mais sob ordem do 'fique em casa'", declarou Newson.

O diretor de Saúde Pública, Tomas Aragon, afirmou, porém, que o estado está agora "a passar por uma viragem crítica".

"A Califórnia está lentamente a começar a emergir da onda mais perigosa da pandemia, que é a luz no fim do túnel de que estávamos à espera", escreveu o secretário de Estado da Saúde, Mark Ghaly, num comunicado.

"Há sete semanas, os nossos hospitais e profissionais médicos da linha de frente estavam no limite, mas os californianos ouviram a mensagem urgente de ficar em casa quando possível e o aumento após os feriados de dezembro não sobrecarregou o sistema de saúde tanto quanto temíamos".

A decisão de finalizar as abrangentes medidas regionais, que incluíam proibições gerais de reuniões e atividades "não essenciais", é baseada em previsões de que a capacidade das unidades de cuidados intensivos (UCI) aumentará em todas as áreas da Califórnia.

A capacidade das UCI no sul do estado atualmente é zero, mas com a queda nos casos diários pode-se projetar que mais de 15% estarão disponíveis em quatro semanas.

De qualquer forma, as medidas que cada condado estabeleceu antes da quarentena geral voltarão, pelo que frequentar bares, jantares em recinto fechado e eventos desportivos com público continuará a ser proibido.

Mas as autoridades de Los Angeles disseram que o condado, duramente atingido pelo vírus, se alinharia com as diretrizes estaduais e, no final da semana, os restaurantes poderão servir novamente nas esplanadas.

A Califórnia tem mais de 3,06 milhões de casos de covid-19, incluindo quase 36 mil mortes.

O estado já distribuiu quase 1,8 milhão de doses de vacinas, transformando locais como a Disneylândia e o estádio de basebol dos Los Angeles Dodgers em centros de vacinação em massa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.