A Linha SNS24 lançou um serviço de aconselhamento psicológico para a população em geral, profissionais de saúde, elementos da proteção civil e forças de segurança. Mais de 60 psicólogos irão prestar este apoio 24 horas, via telefone. O serviço procura reforçar o cuidado com a saúde mental dos cidadãos, através de um atendimento que ajuda a gerir "as emoções específicas de uma situação de crise", tais como o "stress, a ansiedade, a angústia e o medo".

"O propósito é ajudar as pessoas a gerir os seus estados emocionais de stress" durante a pandemia da Covid-19, explicou ao SAPO24 Teresa Espassandim, membro da direção da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP), uma das entidades envolvidas na criação deste serviço.

Este serviço, lançado no dia 1 de abril, é indicado para os casos em que as pessoas estão "muito aflitas", "com níveis elevados de ansiedade", sem conseguir "lidar com aquilo que estão a sentir", explicitou.

"Reforçar o sentimento de segurança da população e dos cuidadores" é outro dos objetivos do serviço, indica o comunicado oficial de lançamento do serviço.

O acesso a este serviço é feito através do número da Linha SNS24 (808 24 24 24). Ao ligar, deve ser escolhida a opção 4 ("aconselhamento psicológico"). A partir desse momento, ficará em espera até ser atendido por um psicólogo. Do outro lado, estará alguém preparado para escutar e avaliar a sua situação.

O serviço surge de uma parceria entre a SPMS (Serviços Partilhados do Ministério da Saúde), a Fundação Calouste Gulbenkian e a Ordem dos Psicólogos Portugueses.

A SPMS é a entidade responsável por toda a gestão do SNS 24.

Quando questionada pelo SAPO24 sobre se o possível aumento de chamadas devido a este serviço poderá acrescentar sobrecarga a uma linha que já tem dificuldade de dar resposta à elevada procura neste momento de crise, Teresa Espassandim disse que, "tomando essa opção [tecla 4], as pessoas aguardarão pela resposta dos psicólogos que estão a prestar este serviço e não estão em competição com todos os outros que estão a ligar para a linha".

"Vou ligar. O que me vai dizer a pessoa do outro lado do telefone?"

"Consoante aquilo de que a pessoa se queixar, o psicólogo fará uma breve avaliação clínica e determinará o que é indicado", descreveu Teresa Espassandim.

"Poderá ser o aconselhamento psicológico. Aí teremos cerca de 20 minutos para realizar intervenção psicológica breve para ajudar a pessoa a retomar o controlo e a ter algumas estratégias para lidar com os seus estados emocionais", exemplificou.

Se se tratar de uma situação "mais aguda", em que não haja "condições para realizar a intervenção psicológica por se tratar de uma emergência", o psicólogo encaminha a chamada para o serviço de triagem SNS24, onde o enfermeiro contacta o utente e avalia a situação, encaminhando-o para "urgência psiquiátrica", se for caso disso.

Por último, nas situações mais críticas, podem ser acionados meios de deslocação ao local para socorrer a pessoa.

A hipótese de monitorização dos casos que cheguem através desta linha também foi equacionada. O profissional que atenda a chamada fará uma avaliação da necessidade de realizar esse acompanhamento e "será o próprio" a fazer "esse contacto posterior", quando se justifique, adiantou a psicóloga.

Um serviço para situações de crise

Teresa Espassandim fez questão de sublinhar que este é um serviço "para situação de crise". A ideia é que "o estado emocional da pessoa possa ser estabilizado", para que ela consiga "retomar as suas capacidades" e "gerir as emoções que está a viver no âmbito da situação de crise".

Nos casos que "não pareçam ser de crise, pois a resposta [na linha SNS24] terá de ser muito mais breve".

Caso a pessoa já esteja a ser acompanhada noutros serviços, o psicólogo em linha irá perceber, durante a conversa, como é que esses recursos podem ser "ativados".

A este serviço vão estar alocados de 63 psicólogos, especialistas em psicologia clínica e da saúde e que receberam formação específica para este contexto.

"Na fase inicial de funcionamento, este projeto será acompanhado por uma comissão que irá otimizar a integração e articulação com a rede de serviços de Saúde Mental", diz o comunicado.

Sobre quantas chamadas contam vir a receber, Teresa Espassandim disse que "é impossível prever neste momento", uma vez que não existe um "histórico".

A criação deste serviço surge de um pedido que o Ministério da Saúde dirigiu à Ordem dos Psicólogos, uma vez que na Linha SNS24 não existia esta valência. A conceção do serviço foi feita pela OPP, tendo havido depois validação pela Direção-Geral de Saúde. A Fundação Calouste Gulbenkian financia esta linha com 300 mil euros.

A seleção e contratação dos psicólogos que prestarão este apoio via telefone foi feita pelo Ministério da Saúde, explicou a Ordem numa newsletter enviada aos seus membros na semana passada.

Neste momento, há um total de 200 psicólogos alocados aos serviços de Informação Covid-19 e de Aconselhamento Psicológico da Linha SNS24.

A Covid-19 é uma doença provocada pelo novo coronavírus e, à data de hoje, 4 de abril, já fez mais de 60 mil vítimas mortais em todo o mundo, estando identificadas como infetadas mais de um milhão de pessoas. Portugal contabiliza hoje 10524 casos confirmados, 266 mortes e um total de 81087 casos suspeitos.

Notícia atualizada às 18h43 - Explica com mais detalhe o procedimento, caso o psicólogo se depare com uma situação que precise de ser sinalizada para a triagem do SNS24.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.