O especialista e membro do Gabinete de Crise da Ordem dos Médicos falou, em entrevista à agência Lusa, do aumento do número de casos de covid-19 na região de Lisboa de Lisboa e Vale e da consequente subida de internamentos e do seu impacto nos serviços de saúde.

Para António Diniz, a subida dos contágios e do número de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos “já era previsível” com o desconfinamento, mas aconteceu “a um ritmo maior do que o esperado”, porque os grupos de riscos, maiores de 60 anos, já estão vacinados.

“A tendência seria para esperar que não aumentasse tanto [o número de casos] e, sobretudo, o número de internamentos e internamentos em cuidados intensivos”, referiu, o que tem levado “inevitavelmente a alguma carga adicional” sobre os hospitais que têm tido necessidade de começar a abrir mais enfermarias.

Contudo ressalvou que, apesar de haver um aumento de incidência da infeção, não tem uma “tradução idêntica” à que existiu na terceira onda da pandemia, no início do ano, em termos de gravidade, internamentos em cuidados intensivos, e mortes.

António Diniz disse, por outro lado, que a vacinação contra a covid-19 selecionou “uma população mais suscetível à infeção”: mais jovem, com mais mobilidade e mais sujeita à fadiga pandémica.

Aliado a esta situação está o facto de Lisboa ser “o protótipo” onde se juntam várias condicionantes que “constituem um caldo para a emergência de novos fenómenos de infeção mais acelerados, por enquanto, que no resto do país”.

No seu entender, esta situação “não é explicável” por festas, casamentos, batizados, que também ocorrem noutras regiões, ou pela diferença de vacinação existente entre a Região de Lisboa e as regiões com maior taxa de vacinação, que são zonas menos povoadas, como o Alentejo ou a zona Centro, que não ultrapassa os seis pontos percentuais

“Não me parece que seja uma justificação plausível estarmos a admitir que, por um acesso de irresponsabilidade, as pessoas só na região de Lisboa e Vale do Tejo é que infringiram as regras de proteção individual e que são regras simultaneamente de proteção coletiva que estão ainda em vigor”, comentou.

Como razões que podem estar na origem desta situação, António Diniz apontou “a vulnerabilidade” que Lisboa apresenta por ser provavelmente “a maior fronteira, nomeadamente aérea, que o país tem”, com voos provenientes de todo o mundo, e ter “uma frequência e uma lotação muito superior” ao resto do país.

Esta região também concentra “o maior número” de comunidades de imigrantes e a multiculturalidade, que é “francamente superior” à existente no resto do país.

Para o especialista, esta “aceleração desproporcionada” de contágios também é justificada pela variante Delta, associada à Índia.

“Os outros fatores podem existir, mas não têm a importância que tem o aparecimento dessa nova variante que eu acho que, hoje em dia, tem provavelmente uma expressão já muito grande em toda a região de Lisboa”, sublinhou.

Estudos realizados, nomeadamente no Reino Unido, apontam que a variante Delta apresenta uma transmissibilidade 60% superior à variante Alpha, associada àquele país, que já era 40% a 50% mais transmissível que a variante original que circulou em Portugal na primeira e na segunda onda da pandemia.

A segunda característica desta variante, que ainda não está completamente estabelecido, é apresentar “alguns sinais” de formas mais graves da doença comparativamente com outras variantes.

Esta variante é também “mais resistente” à vacinação do que a variante inglesa, o que pode explicar porque é que pessoas vacinadas estão a ser novamente infetadas.

Portugal registou na terça-feira mais 973 casos confirmados de covid-19, o número diário mais alto desde o início de março, a maioria (629) em Lisboa e Vale do Tejo, segundo dados Direção-Geral da Saúde, que indicam que o número de internamentos subiu para 346, dos quais 79 em cuidados intensivos.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram em Portugal 17.049 pessoas com covid-19 e foram registados 859.045 casos de infeção.

Doentes internados devem ser estudados para se perceber variantes

O pneumologista António Diniz defendeu hoje que é preciso estudar todas as pessoas que estão internadas, nomeadamente as que já foram vacinadas contra a covid-19, para perceber que variantes estão em causa e que vacina tomaram.

“O Gabinete de Crise da Ordem dos Médicos tem dito repetidamente que tem de se estudar todas as pessoas que estão internadas para perceber exatamente que variante está em causa”, disse António Diniz em entrevista à agência Lusa.

Segundo António Diniz, o aparecimento de uma nova variante, a Delta, associada à Índia, vem perturbar o processo normal de vacinação que estava a decorrer e “vem obrigar a repensar o jogo” porque é uma estirpe “mais resistente” às vacinas e mais transmissível.

Esta situação pode explicar a subida dos contágios, principalmente na região de Lisboa e Vale do Tejo, e o facto de haver pessoas vacinadas que estão a ser novamente infetadas pelo coronavírus SARS-CoV-2.

O membro do Gabinete de Crise da OM recordou um estudo divulgado em maio pelo Public Health England (PHE) no Reino Unido que comparou a variante Delta e a Alpha, associada à Inglaterra, em relação às duas vacinas que utilizam, AstraZeneca e Pfizer.

Quando administraram apenas uma dose destas vacinas concluíram que a sua eficácia na variante Delta era de 30% relativamente à variante Alpha.

No caso da vacinação com as duas doses, verificou-se que a vacina da Pfizer foi 88% eficaz contra a variante Delta (93% na variante inglesa), enquanto a da AstraZeneca foi 60% eficaz (66% na Alpha).

“A verdade é que quando temos uma vacina que apenas protege em 60% não nos sentimos muito confortáveis com esse resultado e, portanto, isso pode explicar também um dos problemas que esta nova variante Delta vem colocar”, salientou.

A comissária europeia para a Saúde disse na terça-feira que estão a surgir provas que demonstram que a variante Delta do coronavirus SARS-CoV-2 “diminui a força do escudo protetor” criado pelas vacinas, instando à aceleração da vacinação completa da população.

“Têm surgido provas de que as variantes – nomeadamente a variante Delta – diminuem a força do escudo protetor fornecido pelas vacinas, especialmente quando a vacinação ainda não é completa. É, portanto, crucial que o maior número possível de cidadãos seja vacinado contra a covid-19, e que seja totalmente vacinado o mais rapidamente possível”, disse Stella Kyriakides.

Para António Dinis, há vários fatores que podem ser repensados, avançando que “um deles já está atualmente aceite que é de quem fez uma primeira dose da vacina da AstraZeneca fazer uma segunda dose com uma vacina por RNA mensageiro como, por exemplo, a da Pfizer”.

“Não só se ganharia alguma coisa em termos de capacidade face a esta variante Delta como se ganhava também em termos de tempo”, porque o espaçamento entre doses é de quatro semanas no caso da Pfizer e de três meses na vacina da AstraZenena.

Contudo, salientou, “até agora, a evolução na frequência dos casos não se tem refletido da mesma forma, com igual intensidade, nos internamentos”.

No entanto, esta situação levanta um problema nos serviços de saúde que estavam numa fase em que tinham recuperado a sua atividade normal.

“Ter que estar a abrir novamente outras enfermarias para internamento de pessoas com covid-19, inevitavelmente torna-se numa situação penosa, sobretudo, pela desorganização que vai induzir nos serviços”, lamentou.

Esta situação, sustentou, vai traduzir-se novamente, “em menor atenção” a outras áreas igualmente importantes e que “estão particularmente carenciadas”, nomeadamente os doentes não-covid.

Apontou ainda “outro problema” que pode levantar algumas questões localmente: “Enquanto estávamos em estado de emergência não houve saída de pessoas no Serviço Nacional de Saúde (…) mas agora há vários hospitais onde, com a cessação dessa situação, as pessoas já abandonaram o SNS, o que se vai traduzir na necessidade eventualmente de um reforço nalguns locais”.

António Diniz defendeu também que as “linhas vermelhas” traçadas para o processo de desconfinamento têm de ser repensadas para perceber se precisam de “algum ajuste”, porque agora “a situação é inversa”.

“A linha vermelha traduz o limite a partir da qual se terá de proceder a alterações profundas” e, por isso, defendeu, deviam ser criadas “linhas intermédias” que dissessem “mais sobre a tendência evolutiva” para possibilitar uma “maior elasticidade” e evitar chegar à “linha vermelha”.

O Gabinete de Crise também tem defendido uma mudança na matriz de risco por considerar está “desajustada” em relação à realidade atual.

“A realidade que temos é diferente (…) e, portanto, essa matriz deve contemplar não só a incidência, mas também a gravidade e outros fatores”, como os internamentos, as características da nova variante, porque senão corre-se o risco de “cometer erros por excesso, provavelmente”, advertiu.

Para António Diniz, são esses fatores que vão dar o balanço para se perceber se se pode ou não “abrir mais a sociedade”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.