Numa carta enviada a todos os médicos, o bastonário Miguel Guimarães apela ao espírito solidário e humanista dos clínicos, sobretudo os que já saíram do Serviço Nacional de Saúde (SNS), e recorda que o novo coronavírus já é uma pressão acrescida num SNS “alvo de grande desinvestimento ao longo dos últimos anos”.

“Nesta altura em que enfrentamos o surto do novo coronavírus (Covid-19), escrevo-vos evocando o nosso passado e presente, apelando à vossa colaboração direta neste desafio de saúde pública internacional, considerado pela OMS uma emergência”, sublinha o bastonário.

Em declarações à agência Lusa, Miguel Guimarães diz que os médicos “podem não ser necessários já, mas os portugueses podem precisar deles amanhã”.

“A questão básica é estarmos preparados”, afirma o bastonário, apontando o sentido humanista e solidários que os médicos têm demonstrado em alturas difíceis para o país e sublinhando que o objetivo é “ajudar o Ministério da Saúde, a Direção-Geral da Saúde e o Governo a ultrapassar esta fase difícil”.

Na carta, Miguel Guimarães frisa também que o apelo que deixa tem “uma relevância especial para os médicos que já saíram do SNS, nomeadamente, os reformados, mas também para os médicos que, estando a trabalhar no SNS, possam dar um contributo adicional, caso venha a ser necessário”.

“Ser médico é estar na linha da frente nos momentos difíceis e tentar influenciar favoravelmente o rumo dos graves problemas que assolam a nossa população, com espírito de solidariedade e grande sentido humanista para com a nossa sociedade e, acima de tudo e sempre, para com os nossos doentes”, lembra.

“É por isso que me dirijo a todos vocês num momento em que o mundo atravessa uma emergência de saúde pública internacional de risco ´muito elevado´, crise que também atinge o nosso país, sobre a qual ainda há dados incipientes, mas em que estamos certos que, com tranquilidade, todos podemos ter um papel a desempenhar para minimizar o seu impacto”, escreve o bastonário da missiva.

No apelo, Miguel Guimarães diz que a Ordem está em contacto e a pressionar a Direção-Geral da Saúde e o Ministério da Saúde para “garantir que os profissionais de saúde tenham acesso aos equipamentos de proteção adequados e, nomeadamente, ao equipamento de proteção individual para se resguardarem durante o contacto com potenciais doentes e doentes infetados”.

“Peço a todos os médicos que possam estar disponíveis para reforçar a capacidade de resposta dos nossos serviços de saúde nesta fase crítica, que se pode vir a agravar de forma considerável, que se inscrevam desde já, preenchendo todos os dados pedidos e autorizando a partilha destes dados para posterior contacto do Ministério da Saúde/DGS””, insiste o bastonário, num apelo a que os médicos podem responder no imediato, por correio eletrónico, manifestando a sua disponibilidade.

O bastonário lembra que cada médico poderá dar o seu contributo na sua área de conforto e saber, libertando outros médicos, mais especializados, para que possam dar o seu contributo específico na área do Covid-19.

“Aos que já fazem o SNS todos os dias, em condições muito difíceis, só posso agradecer antecipadamente o esforço extra que estão a fazer, e para o qual sei que estão à altura”, sublinha.

Portugal regista 30 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19. Estão sob vigilância das autoridades de saúde 447 pessoas por contactos com infetados.

Todos os pacientes com o novo coronavírus estão hospitalizados. Do total de doentes, 18 são homens e 12 são mulheres.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou cerca de 3.800 mortos entre mais de 109 mil pessoas infetadas numa centena de países e territórios.

Das pessoas infetadas, cerca de 60 mil já recuperaram.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.