Numa conferência de imprensa por videoconferência, a partir da sede do PCP, em Lisboa, João Frazão, da comissão política comunista, afirmou que “são centenas ou milhares de despedimentos” feitos nas últimas semanas, não tem números, mas alertou: “São muitos e são inaceitáveis.”

Esta é a terceira vez, em menos de uma semana, que os comunistas tomam posição sobre as medidas de combate ao surto de Covid-19 e em que alertam para os despedimentos em curso em várias empresas.

João Frazão explicou que o PCP defende “a proibição de todos os despedimentos, seja de trabalhadores com vínculo efetivo, seja de trabalhadores com vínculo precário”.

Por outro lado, os comunistas pretendem, igualmente, que “todos os atos ilícitos, a pretexto do surto, sejam, a todo o tempo, considerados revogáveis, no imediato ou no futuro próximo”, ou seja, "agora ou quando o surto passar".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.