A confirmação foi dada pelo Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, numa conferência de imprensa. "Foram hoje validados dois casos suspeitos para investigação, a situação pode alterar-se”, disse Lacerda Sales, adiantando, porém, que tal não significa que venham a confirmar-se. "Portugal não tem nesta fase nenhum caso de infeção", apontou.

Segundo Graça Freitas, a Diretora-Geral da Saúde de Portugal, disse que se tratam de dois indivíduos residentes, ou pelo menos de passagem, pela zona da Grande Lisboa, sendo ambos encaminhados para o Hospital Curry Cabral, unidade de referência para estas situações, onde será realizada a colheita de amostras biológicas para análise pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).

No entanto, segundo Graça Freitas, trata-se de "dois casos diferentes, com origens diferentes”.

O primeiro é "um homem de 44 anos" português e residente em Portugal que "foi validado por um médico da linha de apoio da Direção-Geral de Saúde e um médico do hospital Curry Cabral", tendo apresentado "os dois critérios necessários para ser validado: tem a sintomatologia compatível com a nova infeção do novo coronavírus e tem uma ligação epidemiológica em função do seu percurso nos últimos dias.

Já o segundo, um homem de 40 anos, é um "contacto de outros casos, esteve com cidadãos doentes fora do nosso país e por isso estava em vigilância”, indicando a Diretora-Geral de Saúde que a deteção do seu caso foi feita através de “mecanismos que permitem captar, identificar e validar casos para investigação", sendo "através deste esquema que foi detetado precocemente o início de sintomas”. O grupo de doentes trata-se de um grupo de cidadãos alemães.

Graça Freitas pediu para refrear alarmismos dizendo que não se sabe se ambos os casos "têm infeção pelo novo coronavírus ou por outro agente microbiológico", pedindo para "aguardar com serenidade o internamento e a realização dos exames conforme o protocolo”.

Após a análise dos casos pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, serão divulgados os resultados.

Estes são o terceiro e o quatro casos suspeitos em Portugal, sendo que o primeiro foi descoberto no dia 25 de janeiro e o segundo no dia 31 do mesmo mês, mas as análises de ambos pacientes revelaram-se negativas.

Também as análises preliminares efetuadas às 20 pessoas repatriadas por Portugal da China, que chegaram a Lisboa no domingo, tiveram resultados negativos.

Os 18 portugueses e duas brasileiras vão permanecer em isolamento profilático durante 14 dias em instalações dedicadas para o efeito no Hospital Pulido Valente (Centro Hospitalar de Lisboa Norte) e no Parque da Saúde de Lisboa.

A respeito dos repatriados, o Secretário de Estado da Saúde, reforçou que "os 20 cidadãos não estão doentes", estando "assintomáticos e bem dispostos”. “A primeira prioridade do governo foi trazer estes portugueses que mostraram a vontade de regressar ao nosso país numa operação complexa e delicada e foi bem concluída”, acrescentou António Lacerda Sales.

O Secretário de Estado enumerou "três prioridades para Ministério da Saúde": a “monitorização das condições de saúde dos 20 portugueses”, a "criação de mecanismos de adaptação e melhoria das condições de conforto” e "a avaliação da evolução da epidemia em termos globais e eventual adaptação das medidas de contenção segundo a OMS”.

Graça Freitas disse ainda não ser necessário ainda fazer um rastreio aos passageiros que aterrem no Aeroporto de Lisboa, não tendo recebido indicações internacionais para fazê-lo, para além de que essas "medidas até à data não mostraram efetividade".

A Diretora-Geral da Saúde deixou ainda um apelo para que "todos os portugueses não descriminem ninguém que venha de um país asiático ou que tenha aspeto de ser um cidadão asiático, porque qualquer um de nós viaja para onde quer e quando quer. Não é por se ser cidadão asiático ou não que se constitui um risco.

Os principais sintomas do (2019-nCoV) são respiratórios e podem ser comuns ou semelhantes a uma gripe: febre, tosse, dificuldade respiratória, dores musculares e cansaço. Há doentes que desenvolvem pneumonia viral e até septicemia.

De acordo com as autoridades chinesas, citadas pela agência Associated Press, o número total de pessoas infetadas aumentou para 24.324 e o número de mortes para 490.

[Notícia atualizada às 07h33]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.