Numa nota sobre o risco de lesões por inalação de fumos, a DGS lembra que é um mito a ideia de que o leite é um antídoto do monóxido de carbono, sendo uma ideia sem fundamento científico.

“Não é [um antídoto] e não se deve atrasar a referenciação e o tratamento a nível hospitalar correto”, refere a autoridade de saúde.

A DGS reforça que não está descrita utilidade do leite para estes fins em artigos científicos.

Em caso de inalação de fumos, a DGS aconselha a retirar a pessoa do local e evitar que esteja exposta ao calor, bem como a pesquisar sinais de alarme: presença de queimaduras, sinais de dificuldade respiratória ou alterações do estado de consciência.

As crianças e os idosos são os mais vulneráveis aos riscos da inação de fumos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.