Em comunicado enviado à agência Lusa, os comunistas relatam que o executivo socialista efetua mudanças de locais de trabalho “sem os funcionários serem informados”, chegando ao “extremo” de mudar a secretária de trabalho “durante o intervalo de almoço”.

A CDU denuncia que é feita “chantagem emocional” sobre trabalhadores em situação de baixa médica, fazendo ainda parte do dia a dia dos trabalhadores as “ameaças, gritos, humilhações e chantagem” por parte da presidente.

A Lusa tentou contactar a presidente do município para reagir às acusações, mas as várias tentativas revelaram-se infrutíferas.

“A instauração de um clima permanente de medo tem conduzido alguns funcionários a um estado de exaustão psíquica extrema, levando à baixa médica”, lê-se no comunicado.

Além de acusarem a autarca socialista de desenvolver “tentativas de condicionar” a participação dos trabalhadores em atividades sindicais, a CDU de Nisa denuncia que há também “reafetação” de trabalhadores “com provas dadas”.

A CDU acrescenta que já tentou conhecer “in loco” as condições de trabalho dos funcionários municipais, tendo solicitado por escrito uma visita às instalações municipais, em data e hora a marcar pela presidente da câmara.

“Em total desrespeito pelo Estatuto do Direito de Oposição, esta, como tantas outras solicitações, caiu em saco roto. Continuamos à espera da resposta”, lê-se no comunicado.

O executivo municipal de Nisa é constituído por três eleitos do PS e dois da CDU.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.