Este episódio tornou-se viral já que as BNK48 são uma das "girl bands" mais populares da Tailândia e tomou proporções ainda maiores já que ocorreu dois dias antes do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, celebrado neste domingo.

Por essa razão, a vice-diretora de missão da embaixada de Israel na Tailândia expressou no sábado "choque" e "consternação" através da rede social Twitter. "O facto da cantora exibir símbolos nazis choca milhões de pessoas em todo o mundo", escreveu Smadar Shapira.

No sábado à noite, a artista pediu desculpas, entre lágrimas, durante um espetáculo, tendo posteriormente assumido a total responsabilidade por esta polémica e pedido perdão no Facebook pela sua ignorância.

"Não posso anular o meu erro, mas prometo que não voltará a acontecer", disse.

Namsai e o CEO da banda encontraram-se hoje com os diplomatas da embaixada de Israel para um pedido oficial de desculpas, tendo a banda concordado em tomar parte num workshop educacional sobre o Holocausto para aumentar a consciencialização histórica no país.

Peças de roupa com a imagem de Hitler ou a suástica são relativamente comuns na Tailândia, menos por simpatia nazi que por falta de referências históricas neste país do sudeste asiático onde o sistema de ensino é criticado por seu etnocentrismo e pelas suas carências.

Esta não é a primeira vez que uma referência a Hitler provoca escândalo na Tailândia. Em julho de 2013, os estudantes de uma universidade de Banguecoque exibiram uma bandeira que representava o líder da Alemanha nazi enquanto personagem de BD, ao lado de figuras como o Batman.

Em 2011, outros estudantes desfilaram com uniformes nazis antes de uma competição desportiva.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.