O ANtiOxCIN4 foi patenteado pelas duas instituições do ensino superior e o resultado da investigação "abre portas para estudos de prova de conceito" desse mesmo antioxidante, afirmou hoje a Universidade de Coimbra (UC), em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A UC realça que este antioxidante poderá posteriormente ser utilizado na terapia contra o fígado gordo não alcoólico, uma doença que afeta "cerca de um quarto da população mundial e que está frequentemente relacionada com obesidade e diabetes".

"Apesar da elevada incidência, ainda não existe um fármaco aprovado para o tratamento desta condição", notou.

O fígado gordo não alcoólico traduz-se numa acumulação excessiva de gordura no fígado, frequentemente relacionada com maus hábitos alimentares e sedentarismo, aclarou.

"Esta condição, muitas vezes silenciosa, pode, com o tempo, trazer consequências graves para a função hepática e, consequentemente, para a saúde. Após uma fase inicial benigna, esta condição pode prosseguir para estados mais severos, como a inflamação hepática, cirrose ou mesmo cancro hepático", vincou.

O estudo desenvolvido pelas duas universidades foi publicado na revista Redox Biology.

A equipa de Coimbra foi liderada por Paulo Oliveira, do Centro de Neurociência e Biologia Celular da UC, responsável pela avaliação da eficácia biológica do novo composto.

A outra equipa, liderada por Fernanda Borges, docente da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, idealizou, sintetizou e efetuou os ensaios antioxidantes preliminares do AntiOxCIN4.

O estudo "é o resultado de vários anos de pesquisa com esta molécula (AntiOxCIN4) e a primeira prova de conceito relativa ao uso deste antioxidante modificado" na prevenção do fígado gordo não alcoólico num modelo animal, realçou Ricardo Amorim, um dos investigadores do projeto e primeiro autor do trabalho científico agora publicado.

Ao longo de 16 semanas, parte dos ratos usados no laboratório receberam uma dieta padrão, enquanto a outra foi alimentada com uma dieta rica em gordura e açúcar.

Os ratos com essa dieta rica em gordura e açúcar aos quais foi administrado o antioxidante tiveram uma redução do peso corporal e do fígado, verificando-se um "menor dano hepático, com o melhoramento de marcadores sanguíneos hepáticos e a redução da gordura acumulada no fígado", explicou Ricardo Amorim.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.