O porta-voz do Pentágono, John Kirby, referiu que "um pequeno número" de forças terrestres russas parecem estar a reposicionar-se para fora da região de Kiev, embora não aparente ser "uma retirada real".

John Kirby acrescentou que ainda é "muito cedo" para perceber a extensão da movimentação por parte da Rússia ou para onde é que as tropas vão ser reposicionadas, após Moscovo ter anunciado uma redução das ações militares no oeste ucraniano, em particular nas proximidades de Kiev.

"Isto não significa que a ameaça a Kiev terminou. Eles ainda podem infligir brutalidade massiva no país, inclusive em Kiev", apontou, citado pela agência Associated Press (AP) garantindo que se mantêm os ataques aéreos russos à capital ucraniana.

Questionado se o Pentágono considera que a campanha militar russa na Ucrânia fracassou, John Kirby referiu que as forças russas falharam o seu objetivo inicial de conquistar Kiev, mas continuam a ser uma ameaça naquele país, incluindo na região do Donbass, no leste, onde parecem estar a concentrar-se em maior número.

O principal comandante militar da NATO e do comando europeu das tropas norte-americanas, Tod Wolters, também confirmou que está a ocorrer "uma mudança de dinâmica" por parte da Rússia nas proximidades de Kiev, o que pode indicar uma possível retirada russa.

Tod Wolters explicou, numa audição na Comissão das Forças Armadas do Senado dos Estados Unidos, as opções tomadas pela NATO para combater a invasão russa da Ucrânia, noticia a agência EFE.

Para o militar da NATO, Moscovo está a gastar entre 70% a 75% da sua capacidade militar na invasão da Ucrânia, a maioria através das suas forças de combate.

"Os ucranianos mantiveram grande parte de sua força de combate. A nossa avaliação é que eles estão a contra-atacar", acrescentou.

O comandante da NATO desenhou, durante a sessão, o mapa do "impasse russo" na Ucrânia e o seu progresso em direção a Kiev.

"No geral, posso dizer que a viagem dos russos para o norte e para o sul em direção a Kiev permanece bloqueada. Segundo as nossas estimativas, os russos não fizeram nenhum progresso geográfico entre as últimas 24 a 36 horas", sublinhou.

Tod Wolters apontou ainda que uma das razões pode ser um reagrupamento intencional para avaliar os motivos para não estarem a fazer progressos.

"Achamos que eles enfrentaram desafios logísticos e de manutenção, desafios que achamos que eles não previram", atirou.

Já no sul do país, o general explicou que os russos não parecem sofrer a mesma resistência do que no norte, embora a NATO estime que a cidade de Kherson continue a ser disputada entre russos e ucranianos, tal como Mariupol.

Também o Ministério da Defesa britânico divulgou que, segundo os seus serviços de inteligência, a ofensiva russa falhou o objetivo de cercar Kiev devido a "repetidos contratempos e contra-ataques ucranianos bem sucedidos.

Para a Defesa do Reino Unido, as declarações da Rússia sobre uma redução das ações militares no oeste ucraniano e os relatos da saída das forças russas em algumas daquelas zonas podem indicar que Moscovo aceitou que perdeu a iniciativa militar naquela região.

"É muito provável que a Rússia procure mudar as forças de combate desde o norte para a sua ofensiva na região do Donbass a leste", destacou ainda.

A Rússia prometeu reduzir "drasticamente" a sua atividade militar em direção às cidades ucranianas de Kiev e Cherniguiv, após a ronda de negociações com a Ucrânia, que decorrem em Istambul.

O chefe da delegação russa e conselheiro presidencial, Vladimir Medinsky, admitiu "discussões substanciais" e referiu que as propostas "claras" da Ucrânia para um acordo seriam "estudadas muito em breve e submetidas ao presidente", Vladimir Putin.

O Presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu "progresso" nas negociações sobre um cessar-fogo na Ucrânia, numa conversa telefónica com o seu homólogo francês, apelando simultaneamente à rendição das tropas "nacionalistas" ucranianas que defendem a cidade de Mariupol.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.