José Dirceu foi ministro da Casa Civil, um dos mais importantes do Governo do Brasil, no primeiro mandato do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Esta é a terceira denúncia do MPF contra ele na Operação Lava Jato, que investiga desvios cometidos na Petrobras e noutras instituições públicas do país.

A nova acusação acontece no mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu retomar o julgamento do pedido de liberdade feito pela defesa de José Dirceu, que está preso desde 2015 em Curitiba.

Na denúncia, o MPF indica que José Dirceu teria praticado o crime de branqueamento de capitais para dissimular a origem de mais de 2,4 milhões de reais (700 mil euros).

Ele teria recebido este valor em subornos resultantes de fraudes em licitações da Petrobras, atuação para formação de cartel e corrupção em benefício das construtoras Engevix e UTC, que assinaram contratos milionários com a petrolífera estatal brasileira.

Também foram denunciados o irmão do ex-ministro, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto e os ex-executivos Gerson de Melo Almada, da Engevix, e Walmir Pinheiro Santana, da UTC.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.