De acordo com o secretário-geral da organização sindical, Mário Nogueira, o relatório do Governo sobre precariedade no Estado não inclui todas as situações, como os 15.000 docentes destacados para as Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC).

O Ministério da Educação representa 46,7% da precariedade e a Ciência Tecnologia e Ensino Superior 20%, afirmou Mário Nogueira durante uma conferência de imprensa, em Lisboa.

“O número de contratados a termo no Ministério da Educação, no final de junho, era de 26.133”, afirmou Mário Nogueira, acrescentando que cerca de 2.000 destes contratos dizem respeito a trabalhadores não docentes.

O dirigente sindical considerou que o relatório do Governo deixa de fora muitas outras situações porque foi feito “de forma tendenciosa”, sem envolver outras entidades, como as organizações sindicais que têm levantamentos sobre a matéria.

“Foi feito de uma forma absolutamente unilateral por uma comissão apenas de gente ligada ao governo e por isso é que não identifica todas as situações, como o caso dos professores que trabalham nas AEC”, declarou.

Mário Nogueira defendeu a criação de comissões específicas no âmbito dos ministérios da Educação, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, dos Negócios Estrangeiros e do Trabalho para resolver os problemas de precariedade que se colocam nestas várias frentes entre docentes e investigadores.

Relativamente ao processo de vinculação extraordinária de professores que os sindicatos negociaram este ano com o Governo, Mário Nogueira criticou a ausência de compromisso do Ministério da Educação para novos momentos de vinculação nos anos seguintes, bem como os critérios exigidos.

“Quando se exigem 12 anos de serviço - num país em que as normas previstas nas leis laborais gerais falam em três anos - não se pode exigir mais requisito nenhum”, defendeu.

Segundo Mário Nogueira, há cerca de 8.000 professores com os 12 anos de serviço exigidos pelo governo para conseguirem a vinculação ao Estado, mas pouco mais de 3.000 reúnem todas as condições exigidas pelo Ministério da Educação.

O objetivo da Fenprof é que passem a ser cinco os anos de serviço exigidos em futuros momentos de vinculação de professores.

Mário Nogueira deixou ainda um aviso aos professores: “Isto só lá vai com luta”.

A Fenprof reafirmou, assim, a intenção de realizar novas manifestações, caso não veja resultados das reivindicações e propostas que tem apresentado.

“O poder político só ouve o barulho que se faz na rua, não ouve o que se diz lá dentro”, afirmou numa alusão às reuniões que tem mantido com os responsáveis do Ministério da Educação.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.