"Descobrimos através da imprensa que a pessoa mais importante deste Governo australiano escondeu intencionalmente [a suspensão do contrato] de nós até ao último minuto. Esta não é uma atitude australiana em relação à França. Talvez não sejamos amigos", disse Thebault numa entrevista com a televisão ABC de Paris.

O cancelamento do contrato com o Grupo Naval francês, avaliado em cerca de 55,611 mil milhões de euros, segue-se ao anúncio na semana passada de um acordo de defesa entre os Estados Unidos, a Austrália e o Reino Unido, que inclui o desenvolvimento de submarinos nucleares na Austrália.

Thebault está na capital francesa depois de o Governo ter chamado os seus embaixadores em Camberra e Washington para consultas a fim de expressar o seu descontentamento com a forma como a Austrália e os EUA forjaram o acordo nas suas costas.

"Este foi um processo que durou 18 meses. Enquanto estávamos empenhados em fazer o melhor programa (…) houve um projeto completamente diferente que descobrimos, graças à imprensa, uma hora antes do anúncio. Podem imaginar a nossa raiva, sentimo-nos enganados", acrescentou.

Thebault disse ainda que o Governo francês foi o último a saber do acordo da Austrália com os EUA e o Reino Unido e salientou que "é uma questão de princípio, dignidade e respeito mútuo na relação entre os Estados".

O Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, acusou na semana passada a Austrália e os EUA de "mentira, duplicidade, uma grande quebra de confiança e desprezo".

Alguns países da região Indo-Pacífico manifestaram o seu desagrado pela assinatura do ambicioso acordo de defesa pelos EUA, Austrália e Reino Unido, que equipará a frota da nação oceânica com submarinos de propulsão nuclear.

A Coreia do Norte acusou hoje os signatários, e principalmente Washington, de "perturbar o equilíbrio estratégico na região da Ásia-Pacífico" e desencadear uma corrida às armas nucleares com um pacto a que chamou "extremamente indesejável e perigoso".

Pela sua parte, a Malásia e a Indonésia queixaram-se no domingo que o acordo provocará outras potências a agir de forma mais agressiva na região, especialmente no disputado Mar da China Meridional.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.