As novas medidas restritivas, que se anunciam “impopulares”, serão decididas de manhã numa reunião com o Conselho Defesa e Segurança Nacional francês, dedicado à pandemia do novo coronavírus.

Terça-feira, o primeiro-ministro francês, Jean Castex, considerou “indispensável” a aplicação de “novas medidas” para combater a Covid-19, que deverá apresentar quinta-feira no Parlamento.

“Temos de conseguir não só a representação nacional, mas todo o nosso país”, escreveu o chefe do executivo francês na rede social Twitter.

Ainda terça-feira, de manhã, Macron presidiu a um primeiro Conselho de Defesa na presença do primeiro-ministro e de cerca de uma dezena de ministros, naquele que foi o início de uma série de reuniões que terminam hoje.

Os cenários evocados para o endurecimento das medidas variam entre um fortalecimento do recolher obrigatório atualmente em vigor para dois terços dos franceses das 21:00 às 06:00 locais até a uma contenção total, que seria, porém, menos rigorosa do que a experimentada no país ao longo de dois meses na primavera.

“Devemos esperar decisões difíceis”, alertou também terça-feira o ministro do Interior francês, Gerald Darmanin, referindo-se às novas medidas definidas em Itália, Espanha e República Checa.

Nesse caso, pôr-se-á também a questão da reabertura das escolas, a 02 de novembro, após o feriado do Dia de Todos os Santos.

Por seu lado, o infecciologista francês Gilles Pialoux, numa entrevista ao canal de televisão BFM-TV, avisou que a circulação do vírus em França “está descontrolada” e apelou à redefinição das medidas de contenção.

Segunda-feira, o presidente do Conselho Científico francês, Jean-François Delfraissy, preparou o terreno, qualificando como “crítica” a situação pandémica em França, salientando temer que a segunda onda seja mais forte do que a primeira.

O número de casos confirmados em França atingiu 26.771 em 24 horas, de acordo com dados da Agência de Saúde Pública (ASP) francesa.

No dia anterior, a França havia quebrado um novo recorde com mais de 50.000 casos confirmados num dia.

O número de pacientes em unidades de cuidados intensivos também continua a subir, aumentando a pressão sobre os hospitais, tendo atingido 2.761 para um total de 5.800 camas disponíveis em todo o país.

A França está já num regime de semi-confinamento, com o recolher obrigatório noturno que afeta 46 milhões de franceses.

As organizações patronais já alertaram para o risco de colapso económico.

“Se voltarmos ao confinamento, como em março, estaremos a caminhar para o colapso da economia francesa e corremos também o risco de não conseguirmos recuperar”, alertou Geoffroy Roux de Bézieux, presidente do Mouvement des Enterprises de France (MEDEF), a maior organização do patronado do país.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.