Irão os portugueses reconhecer o esforço do governo na luta contra a pandemia ou, pelo contrário, estão tão cansados que vão optar por castigar quem geriu a crise? Se há dúvidas nesta matéria, noutras as certezas estão em vantagem.

Em cada dez pessoas, duas não têm idade para votar e quatro não votam porque não querem. Das quatro restantes, duas votam à direita e duas votam à esquerda. Nas legislativas, a tendência é para votar com o bolso, ou seja, consoante o aperto financeiro é maior ou menor.

Para Edson Athayde, CEO e diretor criativo da FCB Lisboa e responsável pelas duas campanhas que deram vitória a António Guterres (1999 e 2002), António Costa tem uma característica: "Ele até pode ser bom governante, mas não costuma ser bom candidato". Por isso, a todo o momento pode acontecer "uma costice", aquele comentário ou atitude completamente despropositado, mas muito visível.

"O sapo e o escorpião" é um podcast produzido pela MadreMedia que todas as semanas trará a discussão dos temas na agenda política ao SAPO24.

Este podcast pode ser ouvido nas plataformas habituais, que pode subscrever aqui:

Gostou de ouvir "O sapo e o escorpião", tem alguma sugestão ou pergunta para nós ou para os nossos convidados? O seu feedback é importante. Estamos "à escuta" no e-mail osapoeoescorpiao@madremedia.pt .

Gonçalo Castel-Branco, da MAPA, estratega das campanhas de Alexandre Poço, Inês de Medeiros ou Carlos Moedas, e que esteve envolvido na campanha de Hillary Clinton, acredita que tudo pode ficar exatamente como antes das eleições: o PS a precisar de acordos à esquerda para governar. À direita, a Iniciativa Liberal pode ser decisiva, mas apenas se tiver pelo menos 7% ou 8% dos votos.

Ambos concordam que o elevado nível de abstenção é decisivo para qualquer resultado; quem não vota decide tanto ou mais do que quem vota e é nesta franja - de quem opta por ficar em casa por achar que o seu voto não conta - que se decidem as eleições.

De resto, em Portugal não há uma cultura de ir buscar profissionais e boa parte das campanhas são feitas "pelo primo do tio da vizinha". Na política, como em tantas outras áreas, "somos muito amadores". E conservadores também, motivo pelo qual "aquilo que é permitido a uma mulher na vida pública não é aquilo que é permitido a um homem".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.