Gonçalo Reis falava no debate Estado da Nação dos Media, no âmbito do 28.º Congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, no qual marcaram presença o presidente da Impresa, Francisco Pedro Balsemão, e o diretor regional da Google, Bernardo Correia.

Das televisões generalistas, a TVI (Media Capital) foi a única ausente do debate.

Questionado sobre se o lançamento de dois canais privados na TDT era suficiente, o presidente da RTP disse: "Acho que é pouco, somos o mais pobre da Europa na TDT, acho que devia haver mais".

No final do debate, quando questionado pelos jornalistas sobre a taxa de contribuição audiovisual (CAV), o gestor explicou que "o tema está estabilizado", recordando que "nos últimos anos" a RTP tem "vindo a prestar serviço público" e ainda "serviços adicionais" com "os recursos atuais".

Na lei está previsto o aumento da CAV segundo a inflação, o que não tem acontecido.

"Não se coloca o tema de curto prazo. É tema que está previsto na lei e tem a ver com sustentabilidade a médio prazo, não é desejo para o ano A ou B, é uma questão de médio prazo, enquadramento e sustentabilidade", acrescentou.

Relativamente aos precários, "o comportamento da RTP tem sido exemplar”, assegurou.

“Estamos a colaborar com este objetivo de diminuir a precariedade", disse o presidente da RTP.

Gonçalo Reis adiantou que a cabe agora à Comissão de Avaliação Bilateral decidir, depois do levantamento feito, e, "uma vez feita essa homologação, a RTP procederá à integração".

Aludindo à “contratação do ano" na televisão, ou seja, a passagem da apresentadora Cristina Ferreira da TVI para a SIC, Gonçalo Reis foi questionado, durante o debate, como é que a estação pública encara este tipo de contratações.

"Não faz sentido" a RTP apostar nisso, declarou, acrescentando que a estação pública tem “obrigações mais alargadas" e que a RTP não tem problemas de atratividade.

"Apesar do momento que marcou o verão, recebo telefonemas" de pessoas interessadas em colaborar na RTP, assinalou.

Sobre a contratação de Cristina Ferreira, Francisco Pedro Balsemão disse que não foi encontrado "nenhum poço de petróleo em Carnaxide e Paço de Arcos" e que a Impresa não iria "entrar em loucuras em termos de orçamento".

“[Tratou-se de] fazer uma aposta como se estivéssemos a comprar os direitos de uma Liga Europa", afirmou, sublinhando, logo de seguida, que o valor "é mais barato".

Segundo Francisco Pedro Balsemão, foi feita uma análise custo/benefício e que Cristina Ferreira é um produto multiplataforma (estratégia do grupo) que vai "trazer retorno" à Impresa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.