"As vítimas que conheci e as histórias pessoais que ouvi ajudaram-me a compreender, modestamente, a traição destas crianças pelas mãos de instituições que deviam protegê-las", declarou o primeiro-ministro.

O pedido oficial de desculpas está marcado para o dia 22 de outubro em Canberra, acrescentou.

Após uma década de revelações, o Governo australiano sucumbiu à pressão e criou, em 2012, uma Comissão Real de Inquérito para responder institucionalmente a crimes de pedofilia.

Desde então, a Comissão Real foi contactada por mais de 15.000 pessoas que dizem ter sido vítimas de atos de pedofilia em instituições governamentais e privadas, tais como a Igreja, orfanatos, clubes desportivos, escolas e organizações juvenis.

Mais de quatro mil instituições foram implicadas no processo, incluindo muitas entidades católicas, nestes testemunhos ouvidos por vezes em audiências públicas, outras à porta fechada.

A Comissão Real fez 409 recomendações, incluindo a criação de um sistema nacional de apoio às vítimas para lhes proporcionar assistência psicológica e compensação financeira.

A Igreja australiana anunciou, no final de maio, que participará no sistema nacional de compensação para as vítimas de crimes de pedofilia.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.