Em fevereiro, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aquando da promulgação do efetivo já para este ano, alertou o Governo para a necessidade de ter “no futuro, maior atenção com os prazos previstos”, uma vez que o decreto-lei para 2020 tinha sido aprovado apenas uns dias antes em Conselho de Ministros, já no decurso do próprio ano a que dizia respeito.

Assim, e antes do ano acabar, o Conselho de Ministros aprovou hoje o decreto-lei que fixa os efetivos das Forças Armadas para 2021, “considerando as necessidades estruturais e as atividades previstas” para esse ano.

“O presente diploma assenta numa gestão criteriosa, mantendo a referência já estabelecida de um efetivo máximo de 32000 militares, e garante uma aproximação às necessidades estruturais e às atividades das Forças Armadas previstas para o ano de 2020, compatibilizando as saídas e as admissões”, refere o comunicado do Conselho de Ministros.

Segundo o executivo, “garante-se, deste modo, que o efetivo responde à capacidade operacional exigida”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.