O Instituto Médico Legal de Havana afirmou ter sido concluído, na noite de sábado, "o exaustivo processo científico de identificação das 110 vítimas imediatas da tragédia aérea", informou este domingo o jornal "Juventud Rebelde".

Os restos mortais das últimas nove vítimas a serem identificadas, todas cubanas, partiram este domingo "para os seus locais de origem, acompanhados pelos seus familiares".

O Boeing 737-200, que a Cubana de Aviación tinha alugado da companhia mexicana Damojh (Global Air), caiu em 18 de maio quando tinha acabado de descolar do aeroporto internacional de Havana com destino a Holguín, com 113 pessoas a bordo.

Dos 112 mortos, 101 são cubanos — entre eles cinco crianças —, seis tripulantes mexicanos e cinco passageiros estrangeiros: um casal de argentinos, uma mexicana e dois sarauís.

Três cubanas conseguiram sobreviver à queda da aeronave e chegar ao hospital, mas duas delas morreram esta semana em decorrência dos ferimentos múltiplos.

Mailén Díaz, de 19 anos, é a única que continua a lutar num hospital de Havana, embora o seu estado seja crítico.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.