A Imaginarium, cadeia de lojas de brinquedos, vai fechar 41 dos seus 43 estabelecimentos em Espanha e está a negociar até ao final de fevereiro um plano de indemnizações com 111 dos seus 144 funcionários, noticia hoje o diário "El País". Em Portugal a empresa tem mais de 12 lojas.

De acordo com o jornal espanhol, que cita fontes sindicais, os problemas financeiros da Imaginarium começaram há cinco anos e a pandemia veio apenas desferir o golpe de misericórdia. Em 2017, quando Federico Carrillo assumiu a presidência, já a empresa somava prejuízos. "A expansão internacional foi o princípio do fim", conta a secretária-geral de uma das comissões de trabalhadores, Marta Laiglesia.

No final de 2019, e apesar de ter melhorado ligeiramente os seus resultados, a companhia estava já insolvente, com perdas operacionais de 8,5 milhões de euros. No relatório e contas pode ler-se que a melhoria é explicada pelo fecho de lojas iniciado na altura: "Embora o volume de negócios tenha sido inferior, principalmente devido ao menor número de lojas, a margem melhorou devido à diminuição das despesas operacionais, ao encerramento organizado das áreas com menor rentabilidade e ao rígido controlo das despesas operacionais". A pré-falência viria a ser pedida aos credores em setembro do ano passado.

Agora, a estrutura deverá ser reduzida ao mínimo, deixando abertas apenas duas 43 lojas atuais, uma em Málaga e outra em Saragoça. Restará o comércio online para evitar o fecho definitivo. "O que estamos a fazer é migrar para um modelo de negócio que não depende de lojas físicas. Não fechamos, estamos a transformar-nos", terá afirmado o CEO da Imaginarium, Federico Carrillo, numa entrevista ao "El Periódico de Aragón", cita o "El País".

Eufemismos, diz a responsável sindical Carmina Ramos, que acusa a empresa de estar a fazer tudo para se livrar dos trabalhadores sem qualquer indemnização. O plano de rescisões, que está a ser negociado há meses e cuja conclusão é esperada para o final deste mês, não é ainda certo. A empresa pretende recorrer ao ERE, um expediente da legislação do trabalho que prevê uma indemnização de 33 dias por ano de casa, para despedir mais de 100 funcionários.

Com 14 milhões de euros de dívida acumulada, entre julho de 2020 e março deste ano a empresa terá reduzido o quadro de 270 para apenas 30 trabalhadores.

A Imaginarium tem 414 pontos de venda em 29 países, 12 dos quais em Portugal. A companhia foi constituída no dia 7 de Outubro de 1992 por um grupo de profissionais com vasta experiência no mundo dos brinquedos e da distribuiçăo. No final do processo, empresa ficará reduzida a dez lojas em em regime de franchising fora de Espanha e apenas duas lojas próprias em Espanha, mantendo as vendas online em Portugal, Itália, México e Espanha.

(Notícia corrigida às 11h21 de 19 de fevereiro)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.