O balanço provisório dos prejuízos causados pelos incêndios na região Centro foi apresentado pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, no parlamento, durante um debate pedido pelo PSD sobre a resposta dada aos fogos que fizeram 64 mortos e mais de 250 feridos.

O ministro disse ainda que foram identificadas 500 casas total ou parcialmente destruídas, 20% das quais são de primeira habitação.

Os trabalhos de levantamento dos prejuízos terminam na sexta-feira, 30 de junho, devendo o executivo divulgar um relatório a partir dessa data.

Por outro lado, o Governo defende que “é necessário um apoio aos rendimentos das famílias” na fase em que as empresas onde trabalham estiverem sem funcionar.

Nesta fase do debate, o deputado do PCP João Ramos questionou o ministro sobre o tipo de apoios do Estado às pessoas afetadas, incluindo da Comissão Europeia através do Programa 2020.

Pedro Marques respondeu que o Governo está a trabalhar com a comissão para “se criarem condições excecionais de apoio à reposição da atividade económica”.

Bruxelas, segundo disse, tem abertura para mudar o tipo de aplicação de fundos, por regra destinados ao “apoio à inovação”.

O incêndio que deflagrou há 12 dias, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.