O Departamento de Investigação Criminal da PJ da Guarda refere, em nota hoje enviada à agência Lusa, que os suspeitos, patrão e empregado, um agricultor e criador de gado e o outro pastor e trabalhador agrícola, foram detidos no sábado, com a colaboração da GNR e de elementos dos Bombeiros Voluntários de Figueira de Castelo Rodrigo.

Segundo a fonte, os homens são os presumíveis autores de dois crimes de incêndio florestal, ocorridos entre as 14:00 e as 16:00 de sexta-feira, na área daquele município do distrito da Guarda.

“Em conjugação de esforços, os detidos são suspeitos de terem ateado dois incêndios em zonas de pasto e de mato, com recurso a chama direta, distando um do outro aproximadamente 200 metros”, explica a PJ.

Na nota, a PJ adianta que o segundo foco de incêndio “foi ateado já com a presença dos bombeiros no local, em combate ao primeiro incêndio, e a escassa distância deste”.

“Os dois incêndios ateados em local ermo consumiram cerca de sete hectares de floresta, mato e pastos, e apenas a rápida e eficaz intervenção dos bombeiros impediu que atingissem ainda maior dimensão”, sublinha a nota.

Os detidos vão ser presentes às autoridades judiciárias competentes para primeiro interrogatório e aplicação das necessárias e adequadas medidas de coação.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.