De acordo com os analistas contactados pela Lusa, o Produto Interno Bruto (PIB) deverá ter crescido, no terceiro trimestre, 0,3% em cadeia e 1,1% em termos homólogos, sobretudo devido a uma quebra na procura interna.

No terceiro trimestre, segundo as estimativas de vários centros de estudos económicos e analistas recolhidas pela Lusa, o Produto Interno Bruto (PIB) terá crescido entre 0,2% e 0,5% em cadeia e entre 1% e 1,3% em termos homólogos.

A estimativa mais pessimista é a do Núcleo de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica, que antecipa um crescimento económico de 0,2% em cadeia e de 1% em termos homólogos.

“Esta estimativa sugere que a economia está com um crescimento fraco desde o segundo semestre de 2015″, afirma o NECEP na sua folha trimestral de conjuntura, considerando que os riscos para a economia continuam a ser “predominantemente descendentes”.

Os economistas da Universidade Católica mostram-se “fortemente preocupados” com o investimento, que voltou a recuar no segundo trimestre, “sugerindo que o processo de recuperação da economia portuguesa sofreu uma interrupção”.

Também os analistas do BPI têm uma estimativa que aponta para um crescimento económico entre 0,2% e 0,3% no terceiro trimestre face ao anterior e de 1% em termos homólogos: “Há uma tendência de uma ligeira aceleração que em princípio se deverá confirmar embora não seja muito expressiva”, motivada por uma estabilização da procura interna e uma “dinâmica gradualmente mais positiva” das exportações, disse à Lusa a economista-chefe do banco, Paula Carvalho.

Os analistas do Montepio mostram-se ligeiramente mais otimistas, estimando um crescimento homólogo do PIB de 1,1% e um avanço de 0,3% em cadeia.

Também o BBVA estima que o PIB avance 0,3% no terceiro trimestre face ao segundo, devido à solidez do consumo, ao dinamismo da exportação de bens e serviços (turismo), prejudicados por um “investimento entravado pela incerteza”.

Por sua vez, o Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) é o mais otimista, esperando um crescimento em cadeia de 0,5% e homólogo de 1,3% no terceiro trimestre.

O professor António da Ascensão Costa explicou à Lusa que estas projeções “são baseadas na evolução do indicador coincidente do ISEG, que teve uma razoável subida”, a qual, por sua vez “decorreu de uma evolução favorável dos indicadores setoriais do INE, nomeadamente o índice de volume de negócios do comércio a retalho e o volume de negócios nos serviços”.

O Governo prevê que a economia portuguesa cresça 1,2% no conjunto de 2016, uma estimativa que está entre as mais otimistas entre analistas contactados pela Lusa, que apresentam previsões entre os 0,9% (NECEP) e 1,2% (valor central da estimativa do ISEG).

“Parece-nos que as metas que estão no Orçamento para este ano são exequíveis, embora estejam um pouco do lado otimista”, disse Paula Carvalho, do BPI, que apresenta uma previsão de 1,1% para o crescimento do conjunto do ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.